Desculpe, Mas Não Posso Sair Esta Noite.

perfe

 

Eu preciso lhe comunicar a minha ausência no dia de hoje. Estou certa de que sua festa será ótima e espero que todos se divirtam muito, mas eu não posso sair esta noite. E não é que eu tenha outro encontro ou outras coisas para fazer… Sendo sincera, eu tenho sim muitas coisas para fazer, todas as noites, todos os dias, a todo o tempo, é só que… não consigo.
Veja, eu pareço estar de pé, me movendo um pouco pra cá, andando um pouco pra lá, mas apenas pareço. A verdade é que na maioria das vezes, quando as cortinas estão fechadas e as portas trancadas, estou deitada e nem um osso em meu corpo se move. Tudo está tremendo. Meus pensamentos não param de correr por todos os lados e correm e correm e correm e correm e meu corpo não consegue acompanhar a corrida. Estou deitada, mas meu coração bate, bate, bate contra minhas costelas e vai minando aos poucos qualquer controle respiratório que eu tente fazer para manter tudo aqui dentro no lugar.
Poderia tentar me entender? Não?
Vejo seus olhos me julgando. Eu sei que você foi criado para a ação, para a criação, aliás, não fomos todos? E eu sei que você nunca sentiu seus órgãos tremendo, suas mãos chacoalhando e sua boca tão seca  a ponto de fazer-lhe pensar que você irá morrer de sede a qualquer momento e eu entendo que é difícil de entender por que isso acontece quando nada aconteceu de verdade. Está tudo na minha cabeça, aqui dentro, mas não consigo tirá-lo com minhas mãos fracas.
Como se sente ser normal? De verdade, diga-me, como se sente ser uma pessoa que sabe ser pessoa?
Me ensinaram muitas coisas na escola e no núcleo familiar, mas não me ensinaram a ser pessoa. Não me ensinaram a me divertir como todo mundo, a dançar como todo mundo, a paquerar, respirar, viver, essas coisas, essas coisas simples da vida. Eu não sei quando foi que algo começou a dar errado, mas deu. Simplesmente deu e agora… Agora não sei. Ninguém sabe, eu acho. Então eu sento aqui e espero até que alguém saiba, até que alguém me dê uma pílula milagrosa que vai conectar algo desconectado em meu cérebro e então serei vocês, então serei como todos. Mas até lá, meu Deus!, até lá eu não sei…
Não sei de nada e só “não sei” sei dizer. Desculpe, eu queria ter algo mais a dizer, algo mais a justificar, mas adivinha? Pois é, eu não sei…
Então desculpe o transtorno, desculpe a avalanche de confusão, desculpe privar-lhes de minha presença (ainda que eu sinceramente acredite que todos vocês estarão melhor sem mim, Deus sabe, eu estaria melhor sem mim…), desculpe estar falando assim tão em cima da hora, mas é que acreditei até o ultimo minuto, acreditei que dessa vez conseguiria, mas hoje ainda não dá pra mim. Desculpe, mas eu realmente não posso sair esta noite.
Preciso de mais tempo, ainda que não tenha certeza pra quê exatamente eu preciso.
Fica pra próxima, quem sabe não estarei bem até lá? Quem sabe então não aprenderei a ser alguém, a ser pessoa e tudo aqui escrito vai ficar para trás como um texto de ficção de um personagem de alguém?
Quem sabe, não é?
Eu não sei.
Mas espero um dia saber.

16 – O 1% Que Faz A Diferença (Um Desabafo!)

ccc

 

Faz mais ou menos uma hora que estou olhando para a página em branco no Word pensando no que escrever. Queria dizer algo feliz, mas não sei como. Queria escrever um post inspirado para dar esperanças às pessoas e falar que tudo vai acabar bem. Queria escrever um conto pro projeto #52contos que dissesse algo, que passasse uma boa mensagem, mas não sei o que escrever. Tenho muitas histórias para serem escritas, para fazer com que saiam de mim e existam em um papel e a fila só aumenta. Mas hoje não consigo criar uma história e fingir que nada está acontecendo. Pensei em deixar pra lá, fechar tudo e deixar pra escrever outro dia quando tudo acalmar. Mas o problema é que quero escrever. Eu quero dizer, sinto a necessidade, minhas mãos coçam, meu peito está cheio, tenho muito o que dizer ainda que saiba direito o quê.
Não é de hoje e nem de ontem que parece que o mundo enlouqueceu. Nós nos chocamos com alguma coisa agora e depois nos chocamos com outra. Talvez conseguimos um dia para respirar e então tudo volta outra vez. Parece que só piora e que tudo está perdido.
Não conheço ninguém na Franca, não conheço ninguém na Turquia, ou na Síria, ou na Nigéria ou no Iraque. Alias, é verdade, conhecer conheço pouca gente perto da maioria das pessoas. Mas existe algo chamado empatia e eu não posso evitar em me sentir mal, realmente mal, por tudo o que está acontecendo.
Sou apaixonada por culturas e religiões, devoro o que puder sobre o assunto e às vezes me sinto tão conectada a um desses lugares que até me sinto parte deles, mesmo nunca tendo pisando naquele território. O modo de vida e as crenças das pessoas me deixam apaixonada e com mais vontade ainda de viver neste mundo para saber mais e mais. Mesmo não concordando com tudo e até achando algumas coisas muito doidas, eu tento olhar sempre de fora, me reconhecendo como alguém que tem uma visão de vida diferente da que estou observando, mas que ambas compartilhamos o mundo e temos a obrigação de nos respeitar. E por isso me dói, me destrói ver essas pessoas de quem me sinto tão próxima serem ou difamadas por causa de suas crenças ou destruídas fisicamente e moralmente por essa obsessão do homem pelo poder acima de qualquer coisa. Nunca antes estivemos tão conectados e nunca antes nos destruímos tanto. A oportunidade que tínhamos de nos conhecer e de nos aproximarmos como povos e de descobrirmos as belezas de nossas vidas está sendo usada para nos matarmos. Estamos vivendo numa selva onde o “salve-se quem puder” virou lei e que tirar uma vida virou tão banal quanto arrancar uma flor de um canteiro.
Isso tem que parar!
Antes de chegar em uma rede social e endossar mais ainda o ódio que vemos nos noticiários todos os dias, se informem. Usem os 5 minutos que vocês têm pra fazer um post preconceituoso para estudar o que é de verdade a religião mulçumana, que nada tem a ver, sob nenhum aspecto, com o que o Estado Islâmico faz. Se querem criar guerra por causa de política, romper laços com amigos e familiares e falar coisas absurdas e que não tem qualquer fundamento, procurem ler mais livros sobre a história do nosso país, sobre a história da América Latina (que tudo tem a ver com a história do Brasil). Indico Eduardo Galeano e Darcy Ribeiro só pra começar. Verifiquem informações antes de tomá-las como certas e saírem reproduzindo discursos burros que ouviram da boca de outras pessoas. Se você, assim como eu, se pergunta o que pode fazer diante de tanta guerra e tantas mortes pelo mundo, procure primeiro olhar o outro como um indivíduo cheio de belezas e imperfeições, alguém que tem uma vida e uma educação totalmente diferente da sua e que ainda assim tem em mãos um mundo maravilhoso para te mostrar.
Pequenas ações levam à grandes diferenças. O Sonho de Letras , por exemplo, não tem muitos acessos, não é um lugar com mil visitas por dia mas, ainda assim, eu não consigo desistir disso aqui porque é uma maneira muito pequena que eu tenho de falar aquilo que acredito que possa fazer a diferença na vida de alguém. A Literatura e a escrita salvaram minha vida de inúmeras maneiras e me deram um presente que nada e nem ninguém mais deu: a oportunidade de reconhecer o outro como alguém além de mim e cuja vida vale tanto quanto a minha, não importa de onde viemos e no que acreditamos como certo. Se algo nesse site faz diferença na vida de pelo menos 1 pessoa, então eu já me sinto muito feliz e com a sensação de dever cumprido, de que a vida que eu vivo não é em vão.
Então, peço o mesmo a vocês. Não sabia o que escrever quando comecei este texto, mas agora acho que sei. Criem, espalhem, comuniquem o melhor de vocês! Observem a oportunidade que temos, uma oportunidade que nunca antes na Historia o ser humano teve de se comunicar e de se conhecer melhor. Usem essa oportunidade para melhorar nem que seja 1% das atrocidades que vocês vêem na TV todos os dias. Não estou dizendo que é fácil sermos amigos, darmos as mãos e cantarmos uma canção feliz ou que sei todas as soluções para os problemas do mundo. Eu sei que também julgo mal, que tenho acessos de raiva, que guardo mágoas, que às vezes posso estar usando as janelas da internet para falar algo errado, todos nós fazemos, somos humanos, mas eu juro que tento todos os dias não fazê-lo. Eu falho e falho muito, mas continuo acordando acreditando que posso dar tudo de mim para ser alguém melhor. Por que como posso pedir paz no mundo se não me esforçar e nem ser minimamente decente para as pessoas que me amam? Como eu posso pedir compreensão e amor do outro se não estou oferecendo o mesmo? Como podemos querer ver um mundo diferente se repetimos os mesmos erros todos os dias, sem nos darmos conta, porque estamos muito ocupados apontando dedos ao invés de olhar nosso reflexo no espelho?
Amanhã é bem possível que acordemos com um novo atentado, com um novo golpe, com mais vidas perdidas, mais sangue derramado e o ódio cantando sua canção assustadora pelas ruas de qualquer parte do mundo. Não sei se um dia isso vai mudar, se existirá igualdade, justiça e respeito como deve ser. Sei de pouquíssimas coisas no momento e confesso que me sinto muito assustada. Mas eu ainda acredito no poder que nós temos de sermos melhores.    Nunca comprei a filosofia de que o homem é mal por natureza e que não há nada que se possa fazer. Há muito a fazer e pessoas que foram pequenos sopros de esperança já demonstraram isso  desde o início dos tempos.
Se você quer ver uma mudança urgente no mundo, seja uma. Por favor, seja uma! O seu 1% já é o suficiente para mudar alguém e esse alguém dando mais 1% pode chegar a outra pessoa que também dará 1% e assim sucessivamente. E então esse número que parece tão insignificante  pode ser a mudança que esperamos e até hoje não vimos chegar.
Esse meu texto foi um desabafo improvisado, mas não pretendo mudar nada nele, não importa quantos erros técnicos tenha. A escritora cheia de paranoias quanto à perfeição não tem lugar aqui hoje. E isso sou eu dando 1% de mim neste momento.
Prometo amanhar dar ainda mais.

Literatura Para Quê?

MACLHomepageImage

À literatura, bem como às outras formas de arte, não é conferido valores práticos. Entretanto, a necessidade do ser humano pelas instâncias artísticas é constantemente defendida e colocada como essencial. Contudo, sem uma finalidade utilitária, o motivo pelo qual a literatura é concebida como fundamental ao homem pode parecer confuso.
Partiremos do princípio de que o termo “literatura” refere-se ao uso estético da linguagem; da utilização da palavra com finalidade artística. Justamente por se apoiar na língua para a construção de seu significado, a literatura não se prende unicamente à percepção sensorial, como coloca Jouve (2012), e por isso se difere de outras instâncias artísticas. A reflexão por ela provocada apresentará um caráter ruminante. Sendo essa, talvez, a maior força da literatura enquanto arte.
Em consonância, a possibilidade reflexiva da literatura é coloca por Antonio Candido, em 1972, na palestra A literatura e a formação do homem, como essencial para o desenvolvimento humano. Candido defende que, através de três funções principais, a literatura possui caráter humanizador na formação do indivíduo. Sendo concebida “como algo que exprime o homem e depois atua na própria formação do homem” (CANDIDO, 1972, p. 82).
A primeira função, a função psicológica, se relaciona à necessidade humana da ficção e da fantasia. O que é defendido por Candido é a impossibilidade de o Homem viver todos os dias de sua vida sem imaginar, devanear e contemplar a fantasia. A literatura seria, então, uma das modalidades mais ricas de fantasia, que ao se relacionar ao mundo real cria realidades possíveis. Tais realidades, Candido defende, atuam no processo de formação do homem.
Quando, posteriormente, se debruça sobre esse assunto no clássico O direito à literatura, Candido acrescenta que “talvez não haja equilíbrio social sem a literatura”, isso se deve ao fato de que atua do inconsciente para o consciente. “A literatura confirma e nega, apoia e combate, fornecendo a possibilidade de vivermos dialeticamente os problemas” (CANDIDO, 1988, p. 24).
Tal função defendida por Candido pode ser associada à ideia de alteridade. O principio da alteridade, como defende o professor Mário Sérgio Cortella (2005), é enxergar o outro como o outro e não como um estranho que nos amedronta e se faz nosso adversário. Nessa perspectiva, a literatura, através da função psicológica, dá meios àquele que a lê, para a compreensão do outro e percepção de que dele faz parte.
A segunda função apresentada por Candido é a função formadora da literatura. A função formadora da literatura, adverte o autor, não se refere ao ideal pedagogizante que percebe a literatura como um meio para repassar ideologias. Mas atenta para o fato de que a literatura não é uma experiência tranquila, forma o ser que a lê porque atua como a própria vida (da qual é reflexo), desestabilizando a realidade com as mais diversas ambivalências. O autor ainda defende que a literatura não corrompe nem edifica, mas faz viver e, assim, humaniza.
Por fim, em razão desse contato com as mais diversas vivências, Candido nos apresenta a terceira função da literatura, a de conhecimento do mundo e do ser. Nessa relação com diferentes realidades, a literatura possibilita ao leitor um novo conhecimento de si e do mundo que o cerca. O que está sendo defendido, em sumo, é que, através da leitura de uma determinada obra, o leitor pode entrar em contato com uma realidade completamente diferente da sua e conhecer facetas sobre sua própria personalidade e humanidade que não conhecia.
Alguns anos depois, ratificando e aprofundando os argumentos levantados em A literatura e formação do homem, em O direito à literatura, Candido permanece em defesa da literatura para o processo formativo do homem e vai além: defende que a literatura é um direito inalienável. Partindo do ponto de vista do sociólogo, e também padre, Louis-Joseph Lebret, que classifica a existência de bens compressíveis e incompressíveis, a literatura seria um direito que não pode ser negado a ninguém. A justificativa do autor para assim classificar a literatura está no fato de que os bens incompressíveis não devem ser apenas aqueles que asseguram a integridade física do ser humano, mas também aqueles que asseguram a integridade espiritual do ser humano.
A literatura, entre outras manifestações artísticas, se configura, então, como “uma necessidade universal que deve ser satisfeita sob pena de mutilar a personalidade, porque pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão do mundo ela nos organiza, nos liberta do caos e, portanto, nos humaniza” (CANDIDO, 1988, 35).
Além da função humanizadora da literatura, o direito à literatura também se dá porque, aos indivíduos, deve ser garantido o conhecimento de seu o patrimônio artístico e cultural. Em defesa desse aspecto, em consonância com Candido, Jouve (2012) salienta que o estudo das obras literárias e a discussão acerca delas atualizam as relações entre a obra e o universo cultural de forma sincrônica, pois o texto traz em si os pilares de nossas representações; e diacrônica, pois o texto se configura como uma herança cultural que a transmite e a reavalia. Por essas razões, o texto literário contribui para o desenvolvimento crítico daquele que o lê, bem como sua capacidade de análise e reflexão.
A literatura se apresenta, tal qual outros domínios artísticos, como um direito não constitucionalizado, porém inalienável para a formação do cidadão. Não é sem motivo que, como nos lembra Vieira (2014), nos momentos em que houve, durante o caminhar da história, ideologias que tolhiam o pensamento crítico e visavam uma concepção de pensamento totalitários, a literatura era tida como perigosa e chegou a ser proibida.
Tal proibição se deve ao fato de que a literatura, bem como outras expressões artísticas, concede ao homem os meios para a construção de um mundo possível. Ao visitar esse mundo possível, que só é possível por causa das palavras, através de uma construção estética, o indivíduo pode se colocar no lugar do outro, perceber outras realidades e, a partir do momento em que a ficção e a realidade entram uma no domínio da outra, há o espaço para a reflexão.

A literatura duplica o mundo no sentido mais amplo que essa palavra pode encerrar: a duplicação de homens e mulheres, de ideias, de cidades, de mitos, de deuses, dos sentimentos, dos pecados, das virtudes. Não apenas duplica: duplica ao tempo que promove o discurso, o debate e o contraditório (VIEIRA, 2014, p. 71).

Assim, a arte literária se configura como um bem imprescindível para a sociedade por seu caráter libertário e confrontador. Ferramenta imprescindível para estabelecer uma cultura que olhe para o outro como companheiro, a não garantia do acesso por parte do homem aos bens artísticos seria nociva para uma sociedade saudável.

Fontes:

VIEIRA, Anco Márcio Tenório. A literatura como espaço do discurso, do debate e do contraditório. In: LIMA, Aldo de. (org.). O direito à literatura. 2ª Ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2014. p. 55-76.
VIEIRA, Anco Márcio Tenório. A literatura como espaço do discurso, do debate e do contraditório. In: LIMA, Aldo de. (org.). O direito à literatura. 2ª Ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2014. p. 55-76.
CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. In:
CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: LIMA, Aldo de. (org.). O direito à literatura. 2ª Ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2014. p. 17-40.

“O Amor”, Por Khalil Gibran

o amor

Este belíssimo texto foi retirado do livro “O Profeta”, do escritor libanês Khalil Gibran. É um texto que considero um dos pontos altos do livro e nos traz uma grande oportunidade para fazer refletir o que é aquilo que entendemos como o amor.

“Todas essas coisas o amor fará por vós a fim de que vos torneis sabedores dos segredos de vossos corações, e que, imbuídos desse saber, vos transformeis num fragmento do coração da Vida.

Mas se, por receio, desejais buscar somente a paz e o gozo do amor,
E melhor cobrir vossa nudez, e abandonai a eira do amor,
Para que possais entrar no mundo sem estações, onde podereis rir, mas não todo o vosso riso, e chorar, mas não todo o vosso pranto.
O amor dá de si apenas, e anda recebe senão de si próprio.
O amor não possui nem quer ser possuído;
Pois o amor ao amor se basta.

Quando amardes, não deveríeis dizer: ‘Deus está em meu coração’, mas sim: ‘Eu estou no coração de Deus’.
E não pensai que serieis capazes de determinar seu curso, pois o amor, se considerar-vos dignos, direcionar-vos-á.

O amor não tem outro desejo senão o de atingir sua plenitude.
Mas se amardes e necessitardes ter desejos, que sejam estes:
O de vos tornardes a corrente de um riacho a entoar o seu canto para a noite;
O de conhecerdes a dor de tanta ternura;
O de serdes feridos por vossa própria compreensão do amor;
E sangrardes de bom grado e alegremente;
O de despertardes ao alvorecer com o coração alado e agradecerdes por mais um dia de amor;
O de retornardes à casa ao anoitecer, plenos de gratidão;
E então adormecerdes com uma oração para o bem-amado em vossos corações e uma cantiga de louvor em vossos lábios.”