O Amor Pertence Às Pessoas Bonitas.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Pertence àqueles que sabem olhar
Agradar, conquistar
Ou regalar um belo sorriso.

Todos nós gostamos de ver alguém bonito.
O amor também.
Ele olha uma pessoa bonita
E outra pessoa bonita
E as põem juntas.
Um corpo bonito
E outro corpo bonito
E no mundo do amor
Tudo é uma grande festa.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Mas o que acontece com os feios,
o que acontece?
Com os enrugados, com os marcados
no corpo
na alma
na cara
o que acontece com eles
o que acontece?
Não acontece nada.

Neste mundo de reflexos
o amor não nos escolhe
o amor nos esquece.
A nós nada pertence
talvez apenas a sorte
de amar o amor de outros.

O amor não pertence aos feios.
Isso foi o que aprendi…

 

Branca De Neve Na Floresta.

 

Estou entrando em uma floresta, uma floresta de pedra. Ouço o barulho dos saltos sobre o chão de mármore e em meu peito apenas o silêncio. Nenhum ar entra, nenhum ar sai. Estou entrando na floresta e não consigo pensar.
Olhos me miram, me esperam e aguardam. As palavras que mantive alinhadas por toda a noite agora são redemoinhos na cabeça. Estou entrando na floresta, os saltos batem e batem, não penso e a consequência é não saber o que dizer.
Olhos me miram, muitos olhos, por todos os lugares, por todas as partes. É um pesadelo ao vivo e a cores. Olhos bravos, semicerrados, olhos que me observam e esperam, olhos que me desesperam.
Não sei o que acontece, apenas acontece. Me coloco na frente, estico a coluna tudo está bem, eu digo, tudo está bem, está bem, não, não está nada bem.
Não sei o que acontece, apenas acontece.
Não sei… Não sei.
Quero gritar, mas não faço nenhum som. Quero fugir, mas minhas pernas tremem demais para que eu possa dar qualquer passo sem cair. Mãos invisíveis apertam meus ombros, os olhos me miram, meu Deus, será que estão percebendo?
Olhos me miram e não sei, não sei!
Estou aqui e agora? Estou aqui e, meu Deus, só quero sair!
Solto uma risada (sempre o riso dissimulado!) e sigo em frente. Tudo está bem, está, se não está, vai ficar. Solto as palavras presas, jogo o redemoinho para a plateia confusa. Eles que peguem as palavras, eles que as organizem em fila indiana, que façam algum sentido disso. Eu não sei mais o que faço, apenas faço. Já não sou gente, já não sei o que sou, talvez uma máquina emitindo um som arranhado, prestes a dar defeito (acho que já dei…). Apenas termino a tarefa com sorriso de miss e uma piada impertinente.
O barulho dos saltos sobre o chão e meu peito em chamas. Saio da floresta, mas o pavor não sai de mim. Me escondo no canto, a vida segue, os olhos desviam, uma outra pessoa entra na floresta e as palavras saem em fila indiana (me pergunto se ela também está em chamas).
A vida segue, mas eu não.
Eu parei aqui.

O Microfone.

 

Aconteceu no passado
Quando eu tinha cinco anos
No coral da minha igreja.

Um microfone na minha frente
E uma grande vontade de cantar.

Eu era pequena
Muito pequena
Então levantei
Me coloquei na ponta
Dos pés
Pus a boca sobre o microfone
E cantei.

Foi apenas uma frase
Uma pequena frase
Tão pequena quanto eu.
Foi apenas uma frase
Talvez não pequena o bastante
Para evitar os olhares ruins
De outras pessoas
Talvez não tão pequena
Pois a menina mais velha
Ao meu lado
Me pegou pelo braço
E disse:

Garota,
Você não deve se levantar
Você não deve falar
Sobre o microfone
Garota,
Você não deve levantar
Sua voz.

Como a boa menina
Que fui educada pra ser
Me calei e sentei.

Desde então
Eu não consigo levantar
Eu não consigo falar
Nada consigo pronunciar
Cada vez que chego perto
De um microfone.

(Não sou mesmo uma boa menina?)

Sigo (Aos Pouquinhos)

sigo

 

Aos pouquinhos vou indo.
Ainda é pesado, ainda dói
Mas sigo.
Sigo não sei de que jeito
Por que ou de que forma
Mas sigo.
Sigo porque talvez exista um lugar
Do outro lado do oceano
Talvez exista algo ou alguém
Me esperando.
Sigo porque já tentei morrer
e nem isso me fez feliz.
Sigo porque a saída é
Viver a vida
Agora.

Aos pouquinhos vou indo.
Devagar, bem devagar
Para algum lugar
Quem sabe
Para alguém…
Sigo.

Desculpe, Mas Não Posso Sair Esta Noite.

perfe

 

Eu preciso lhe comunicar a minha ausência no dia de hoje. Estou certa de que sua festa será ótima e espero que todos se divirtam muito, mas eu não posso sair esta noite. E não é que eu tenha outro encontro ou outras coisas para fazer… Sendo sincera, eu tenho sim muitas coisas para fazer, todas as noites, todos os dias, a todo o tempo, é só que… não consigo.
Veja, eu pareço estar de pé, me movendo um pouco pra cá, andando um pouco pra lá, mas apenas pareço. A verdade é que na maioria das vezes, quando as cortinas estão fechadas e as portas trancadas, estou deitada e nem um osso em meu corpo se move. Tudo está tremendo. Meus pensamentos não param de correr por todos os lados e correm e correm e correm e correm e meu corpo não consegue acompanhar a corrida. Estou deitada, mas meu coração bate, bate, bate contra minhas costelas e vai minando aos poucos qualquer controle respiratório que eu tente fazer para manter tudo aqui dentro no lugar.
Poderia tentar me entender? Não?
Vejo seus olhos me julgando. Eu sei que você foi criado para a ação, para a criação, aliás, não fomos todos? E eu sei que você nunca sentiu seus órgãos tremendo, suas mãos chacoalhando e sua boca tão seca  a ponto de fazer-lhe pensar que você irá morrer de sede a qualquer momento e eu entendo que é difícil de entender por que isso acontece quando nada aconteceu de verdade. Está tudo na minha cabeça, aqui dentro, mas não consigo tirá-lo com minhas mãos fracas.
Como se sente ser normal? De verdade, diga-me, como se sente ser uma pessoa que sabe ser pessoa?
Me ensinaram muitas coisas na escola e no núcleo familiar, mas não me ensinaram a ser pessoa. Não me ensinaram a me divertir como todo mundo, a dançar como todo mundo, a paquerar, respirar, viver, essas coisas, essas coisas simples da vida. Eu não sei quando foi que algo começou a dar errado, mas deu. Simplesmente deu e agora… Agora não sei. Ninguém sabe, eu acho. Então eu sento aqui e espero até que alguém saiba, até que alguém me dê uma pílula milagrosa que vai conectar algo desconectado em meu cérebro e então serei vocês, então serei como todos. Mas até lá, meu Deus!, até lá eu não sei…
Não sei de nada e só “não sei” sei dizer. Desculpe, eu queria ter algo mais a dizer, algo mais a justificar, mas adivinha? Pois é, eu não sei…
Então desculpe o transtorno, desculpe a avalanche de confusão, desculpe privar-lhes de minha presença (ainda que eu sinceramente acredite que todos vocês estarão melhor sem mim, Deus sabe, eu estaria melhor sem mim…), desculpe estar falando assim tão em cima da hora, mas é que acreditei até o ultimo minuto, acreditei que dessa vez conseguiria, mas hoje ainda não dá pra mim. Desculpe, mas eu realmente não posso sair esta noite.
Preciso de mais tempo, ainda que não tenha certeza pra quê exatamente eu preciso.
Fica pra próxima, quem sabe não estarei bem até lá? Quem sabe então não aprenderei a ser alguém, a ser pessoa e tudo aqui escrito vai ficar para trás como um texto de ficção de um personagem de alguém?
Quem sabe, não é?
Eu não sei.
Mas espero um dia saber.

17 – Ainda Temos Onde Nos Agarrar?

girl-with-a-balloon-by-banksy

 

O mundo inteiro acompanhou ontem a apuração de votos da eleição americana. Mesmo aqueles que nunca haviam se interessado por política americana ficaram ligados, seja pela internet ou pela TV, para acompanhar o maior embate político dos últimos tempos. E acredito que a maioria não tenha se apaixonado pela política da noite por dia… Mas sabiam que um candidato racista, misógino, xenófobo etc. não podia sair vencedor da eleição mais importante do mundo, principalmente quando esse mesmo mundo precisa cada vez mais de amor e aceitação. Mas foi exatamente isso que aconteceu.
Acordamos assustados. Acordamos sabendo que um louco, sem qualquer experiência prévia na política ou nas forças armadas, agora tem um enorme poder nas mãos. Um homem que abusa de mulheres, que dispara frases de ódio contra mulçumanos e latinos, que prega um discurso bélico, e que agora tem o poder de decidir sobre o uso de armas nucleares ou se lutar contra o aquecimento global vale a pena ou não.
Pessoalmente, me interesso e leio muito sobre política americana desde o 11 de Setembro. E não porque acho os EUA um lugar maravilhoso ou porque desgosto do meu país, mas sim porque desde então eu me dei conta de que tudo o que acontece por lá afeta todos nós. E se ainda tem alguém que pensa que o que aconteceu ontem não vai afetar ninguém além das fronteiras americanas e que isso não deve ser da preocupação de brasileiros, por favor, se informe, estude, saiba o que está acontecendo fora da sua bolha, porque sempre afetou e continuará afetando cada vez mais. Goste ou não, os EUA detém o poder sobre a maior parte do mundo. Se um pauzinho dos pilares do planeta como conhecemos hoje for retirado por eles, caímos quase todos. É uma droga, mas é assim que é.
O ódio está crescendo como um câncer fora de controle. Banalizamos a violência, achamos normal o machismo, vemos crianças morrendo afogadas ou soterradas por prédios explodidos na Síria e em seguida vamos jantar. E ainda continuamos com o discurso de “não adianta fazer nada”. Por quanto tempo mais seguiremos apáticos em relação a tudo o que acontece?
É verdade, talvez não tenhamos poder político ou financeiro para fazer muita coisa. Nossas vidas já são complicadas o bastante. Mas você não precisa sustentar a África ou concorrer a um cargo político para fazer a diferença. A mudança se apresenta aos nossos olhos todos os dias, nas mínimas coisas, e geralmente passam despercebidas. Não são os acordos políticos que mudam o mundo. São os pequenos gestos de cada dia. E isso todos nós podemos fazer… juntos!
Após o desespero e a estupefação que tomou conta de todos ontem à noite, enquanto muitos choravam e outros sentiam raiva daqueles que batem no peito e se orgulham por discriminar um semelhante, uma luzinha de esperança começou a surgir. No Twitter, famosos e não famosos fizeram uma pequena promessa, uma promessa de 140 caracteres, de cuidar um do outro em tempos tão difíceis. Prometeram que serão pacientes com os que ainda não entenderam a gravidade da exclusão; prometeram que irão agir cada vez que virem alguma discriminação nas ruas, que irão defender as minorias, que espalharão paz e amor em todas as oportunidades, até nas mais difíceis; prometeram que serão luz no meio de tanta escuridão, um sopro de esperança para os desesperados, a força que não possuem os mais fracos. Façamos o mesmo por aqui.
A vitória de Donald Trump deu voz àqueles que lutam por uma supremacia de raça, de gênero e de religião. Cada vez mais vemos a quantidades de lobos que estão espalhados pelo mundo, uivando suas ideias loucas e assassinas. E a pior parte de tudo é ver pessoas que amamos fazerem coros a essas vozes. Li comentários que pregavam que deveríamos virar às costas para quem apóia esse tipo de políticos. Entretanto, será esse o caminho certo? Não será que virar as costas para nossos amigos, para nossas famílias, para aqueles que amamos por causa de suas visões “tortas” do mundo é fazer o mesmo que “o lado de lá”, que é excluir? Se lutamos contra a exclusão, não é incoerente fazer o mesmo “do lado de cá”? Eu proponho uma outra ideia. A ideia de que podemos conversar, convencer, informar aos que estão próximos de que a ideia do totalitarismo e a falta de empatia num mundo globalizado como o nosso já não cabe mais. Que somos livres para desgostar de muitas coisas, mas que não podemos deixar que esse nosso desgosto saia de nós e machuque alguém. Pregar a ideia de que seu direito acaba quando começa o direito do seu próximo. E precisamos fazer isso com a voz baixa, com paciência e com um olhar amoroso. Não é berrando e atirando pedras que vamos ser diferentes daqueles que julgamos ruins e nocivos, pois eles fazem exatamente isso. O maior perigo de uma luta talvez seja nos transformar naquilo que mais desprezamos.
Mantenham isso em mente. Assim como ontem centenas de pessoas começaram uma corrente de promessas para o bem, comecemos uma hoje aqui também. Não iremos mudar a cabeça de todo mundo, mas qualquer pessoa que consiga ver o absurdo e o crime que é odiar alguém por causa das escolhas que essa pessoa fez para a própria vida, já será uma vitória. Não desistam daqueles que ainda mantêm uma mente fechada: com calma, amor e muita, mas muita paciência, você pode obter resultados inimagináveis. Vamos acreditar e lutar por isso.
Hoje é um dia de luto para todos aqueles que tinham a esperança de ver uma mulher presidente do maior cargo político do mundo e que acreditam na integração e na compreensão entre povos. Vamos chorar nossas lágrimas e tirar esse dia para refletir tendo em mente que, a partir de amanhã, nossa luta por um lugar melhor precisa recomeçar. É muito difícil tirar forças do nada quando vemos tanta maldade e morte todos os dias ante nossos olhos. Nesta manhã eu mesma acordei pensando se isso tudo vale a pena e se ainda há no que se agarrar. Até que minha mente me lembrou de uma cena da minha história favorita de todos os tempos, que queria deixar aqui e compartilhar com vocês. Esta cena mudou minha vida e me dá forças cada vez que eu começo a acreditar que nada vale a pena. Espero que tenha o mesmo efeito sobre vocês também.

 

 

Para finalizar, deixo aqui minha frase preferida de Abraham Lincoln, para muitos o maior presidente americano da História. Não necessito dizer mais nada… ela fala por si só.

abraham_lincoln_pode_se_enganar_a_to_nl

16 – O 1% Que Faz A Diferença (Um Desabafo!)

ccc

 

Faz mais ou menos uma hora que estou olhando para a página em branco no Word pensando no que escrever. Queria dizer algo feliz, mas não sei como. Queria escrever um post inspirado para dar esperanças às pessoas e falar que tudo vai acabar bem. Queria escrever um conto pro projeto #52contos que dissesse algo, que passasse uma boa mensagem, mas não sei o que escrever. Tenho muitas histórias para serem escritas, para fazer com que saiam de mim e existam em um papel e a fila só aumenta. Mas hoje não consigo criar uma história e fingir que nada está acontecendo. Pensei em deixar pra lá, fechar tudo e deixar pra escrever outro dia quando tudo acalmar. Mas o problema é que quero escrever. Eu quero dizer, sinto a necessidade, minhas mãos coçam, meu peito está cheio, tenho muito o que dizer ainda que saiba direito o quê.
Não é de hoje e nem de ontem que parece que o mundo enlouqueceu. Nós nos chocamos com alguma coisa agora e depois nos chocamos com outra. Talvez conseguimos um dia para respirar e então tudo volta outra vez. Parece que só piora e que tudo está perdido.
Não conheço ninguém na Franca, não conheço ninguém na Turquia, ou na Síria, ou na Nigéria ou no Iraque. Alias, é verdade, conhecer conheço pouca gente perto da maioria das pessoas. Mas existe algo chamado empatia e eu não posso evitar em me sentir mal, realmente mal, por tudo o que está acontecendo.
Sou apaixonada por culturas e religiões, devoro o que puder sobre o assunto e às vezes me sinto tão conectada a um desses lugares que até me sinto parte deles, mesmo nunca tendo pisando naquele território. O modo de vida e as crenças das pessoas me deixam apaixonada e com mais vontade ainda de viver neste mundo para saber mais e mais. Mesmo não concordando com tudo e até achando algumas coisas muito doidas, eu tento olhar sempre de fora, me reconhecendo como alguém que tem uma visão de vida diferente da que estou observando, mas que ambas compartilhamos o mundo e temos a obrigação de nos respeitar. E por isso me dói, me destrói ver essas pessoas de quem me sinto tão próxima serem ou difamadas por causa de suas crenças ou destruídas fisicamente e moralmente por essa obsessão do homem pelo poder acima de qualquer coisa. Nunca antes estivemos tão conectados e nunca antes nos destruímos tanto. A oportunidade que tínhamos de nos conhecer e de nos aproximarmos como povos e de descobrirmos as belezas de nossas vidas está sendo usada para nos matarmos. Estamos vivendo numa selva onde o “salve-se quem puder” virou lei e que tirar uma vida virou tão banal quanto arrancar uma flor de um canteiro.
Isso tem que parar!
Antes de chegar em uma rede social e endossar mais ainda o ódio que vemos nos noticiários todos os dias, se informem. Usem os 5 minutos que vocês têm pra fazer um post preconceituoso para estudar o que é de verdade a religião mulçumana, que nada tem a ver, sob nenhum aspecto, com o que o Estado Islâmico faz. Se querem criar guerra por causa de política, romper laços com amigos e familiares e falar coisas absurdas e que não tem qualquer fundamento, procurem ler mais livros sobre a história do nosso país, sobre a história da América Latina (que tudo tem a ver com a história do Brasil). Indico Eduardo Galeano e Darcy Ribeiro só pra começar. Verifiquem informações antes de tomá-las como certas e saírem reproduzindo discursos burros que ouviram da boca de outras pessoas. Se você, assim como eu, se pergunta o que pode fazer diante de tanta guerra e tantas mortes pelo mundo, procure primeiro olhar o outro como um indivíduo cheio de belezas e imperfeições, alguém que tem uma vida e uma educação totalmente diferente da sua e que ainda assim tem em mãos um mundo maravilhoso para te mostrar.
Pequenas ações levam à grandes diferenças. O Sonho de Letras , por exemplo, não tem muitos acessos, não é um lugar com mil visitas por dia mas, ainda assim, eu não consigo desistir disso aqui porque é uma maneira muito pequena que eu tenho de falar aquilo que acredito que possa fazer a diferença na vida de alguém. A Literatura e a escrita salvaram minha vida de inúmeras maneiras e me deram um presente que nada e nem ninguém mais deu: a oportunidade de reconhecer o outro como alguém além de mim e cuja vida vale tanto quanto a minha, não importa de onde viemos e no que acreditamos como certo. Se algo nesse site faz diferença na vida de pelo menos 1 pessoa, então eu já me sinto muito feliz e com a sensação de dever cumprido, de que a vida que eu vivo não é em vão.
Então, peço o mesmo a vocês. Não sabia o que escrever quando comecei este texto, mas agora acho que sei. Criem, espalhem, comuniquem o melhor de vocês! Observem a oportunidade que temos, uma oportunidade que nunca antes na Historia o ser humano teve de se comunicar e de se conhecer melhor. Usem essa oportunidade para melhorar nem que seja 1% das atrocidades que vocês vêem na TV todos os dias. Não estou dizendo que é fácil sermos amigos, darmos as mãos e cantarmos uma canção feliz ou que sei todas as soluções para os problemas do mundo. Eu sei que também julgo mal, que tenho acessos de raiva, que guardo mágoas, que às vezes posso estar usando as janelas da internet para falar algo errado, todos nós fazemos, somos humanos, mas eu juro que tento todos os dias não fazê-lo. Eu falho e falho muito, mas continuo acordando acreditando que posso dar tudo de mim para ser alguém melhor. Por que como posso pedir paz no mundo se não me esforçar e nem ser minimamente decente para as pessoas que me amam? Como eu posso pedir compreensão e amor do outro se não estou oferecendo o mesmo? Como podemos querer ver um mundo diferente se repetimos os mesmos erros todos os dias, sem nos darmos conta, porque estamos muito ocupados apontando dedos ao invés de olhar nosso reflexo no espelho?
Amanhã é bem possível que acordemos com um novo atentado, com um novo golpe, com mais vidas perdidas, mais sangue derramado e o ódio cantando sua canção assustadora pelas ruas de qualquer parte do mundo. Não sei se um dia isso vai mudar, se existirá igualdade, justiça e respeito como deve ser. Sei de pouquíssimas coisas no momento e confesso que me sinto muito assustada. Mas eu ainda acredito no poder que nós temos de sermos melhores.    Nunca comprei a filosofia de que o homem é mal por natureza e que não há nada que se possa fazer. Há muito a fazer e pessoas que foram pequenos sopros de esperança já demonstraram isso  desde o início dos tempos.
Se você quer ver uma mudança urgente no mundo, seja uma. Por favor, seja uma! O seu 1% já é o suficiente para mudar alguém e esse alguém dando mais 1% pode chegar a outra pessoa que também dará 1% e assim sucessivamente. E então esse número que parece tão insignificante  pode ser a mudança que esperamos e até hoje não vimos chegar.
Esse meu texto foi um desabafo improvisado, mas não pretendo mudar nada nele, não importa quantos erros técnicos tenha. A escritora cheia de paranoias quanto à perfeição não tem lugar aqui hoje. E isso sou eu dando 1% de mim neste momento.
Prometo amanhar dar ainda mais.

15 – Precisamos Falar Sobre Muitas Coisas, Mas Será Que Estamos Nos Ouvindo?

Conversation Pop Art

É comum vermos o termo “precisamos falar sobre” pelas redes sociais quando alguém faz um texto querendo explorar um determinado assunto polêmico para elucidar o público quanto à sua importância. Feminismo, homossexualismo, racismo, xenofobia e intolerância religiosa estão entre os temas mais discutidos e, como sempre, são temas que causam bastante discussão e seria muito saudável ter uma discussão diária sobre todas essas coisas se ao menos conseguíssemos, de verdade, falar sobre isso. O problema é que o assunto quase nunca é só falado. Ele é brigado, é berrado, se torna agressão e até uma Terceira Guerra Mundial, principalmente no Facebook. Então, do que estamos mesmo falando?
São tempos difíceis, tensos, não só para o Brasil, mas também para o mundo. As pessoas parecem estar sempre à flor da pele e prontas para fazer o Michael Douglas no aclamado “Um Dia De Fúria”. É muito mais fácil agredir alguém e perguntar depois do que praticarmos a paciência e “corrigir” algum pensamento equivocado com explicações e não xingamentos.
A humanidade está passando por uma transformação importantíssima, as sociedades estão evoluindo ao reparar os próprios erros e tentar corrigi-los através do progresso. Não é mais aceitável diminuir alguém por causa da cor da pele, pelo sexo, pela religião, pelo lugar onde nasceu etc. e cada vez mais as pessoas estão tomando consciência disso (ainda tem muita gente sem noção e preconceituosa, mas eu prefiro acreditar que a maioria está tentando melhorar e fazer deste lugar um mundo melhor). Mas nenhuma transformação ocorre de um dia para o outro. Mudar a cabeça e fazer seres humanos entenderem que precisam se respeitar acima de tudo é algo muito complicado, leva tempo e requer paciência. E estamos todos suscetíveis ao erro, sejam estes pequenos ou grandes.
Textos bem intencionados que procuram divulgar a ideia de igualdade viram discussões agressivas porque o autor empregou uma palavra ou usou um termo que não se deve usar mais. Às vezes a culpa não é nem da palavra mal empregada e sim um erro de interpretação de um leitor, que leva outros leitores preguiçosos a interpretarem com a cabeça deste primeiro leitor, e todo mundo sai partindo para uma batalha que ninguém sabe de onde saiu em primeiro lugar. No fim, todos saem agredidos e feridos e o protagonista da história, que era a causa a ser defendida, fica em segundo, terceiro ou em nenhum plano.
Precisamos falar sobre muitas coisas, todos os dias para evoluirmos, mas não estamos nos entendendo. E o mais curioso é que não estou falando de pessoas com ideias opostas, o clássico coxinhas x petralhas. Estou me referindo a pessoas que defendem a mesma causa e ainda assim conseguem arranjar um motivo para se odiarem e organizarem um motim na internet uma contra a outra. Qual é o sentido disso tudo?
É preciso entender que errar faz parte da transformação, do esclarecimento. Se aquele autor fez um texto com o intuito de falar sobre a importância de ver um ser humano além da raça e empregou aquela palavrinha errada que é uma reprodução que ele ouviu dos avós, cabe a você chegar e dizer: “Fulano, essa palavra está mal empregada por isso, isso e isso, não faz mais parte do contexto hoje em dia. Abraços!” e não sair escrevendo em caps lock que o cara é um racista enrustido. Se uma amiga sua que luta pela causa feminista acabou reproduzindo uma frase machista sem se dar conta, cabe a você explicar porque ela não deve mais usar aquele termo e porque esta frase não cabe dentro da luta feminista. E não chamá-la de machista (isso é o que mais vejo em discussões feministas!) ou falsa porque ela simplesmente se equivocou.
A verdade é que ainda reproduzimos muito do que nos foi dito ao longo da vida por uma sociedade que oprimia as minorias desde o nascimento do primeiro ser humano. Não pensamos em cada palavra que sai de nossa boca (mas devemos!) e às vezes não nos damos conta que aquilo é errado. Dê uma chance, pelo menos uma chance, de uma pessoa se equivocar antes de xingá-la de tudo quanto é nome e criar um mal estar em uma rede social ou até mesmo pessoalmente que pode deixar cicatrizes para a vida inteira. Devemos acabar com este mundo de guerras, dentro e fora das redes sociais, e não contribuir para a criação de mais uma.
Com a liberdade de expressão que a internet deu para as pessoas da nossa geração, queremos e precisamos falar sobre muitas coisas. Entretanto, é importantíssimo e urgente refletir o quanto, de verdade, estamos ouvindo uns aos outros.

Cabelos Demais

cabelos demais

Para todas as mulheres que já sofreram preconceito por causa de seu cabelo

Cabelo ruim
Ruim como mulher com vontade
Mulher dessas de garra
Que não temem dizer a verdade.
Ruim, cheios demais
De personalidade demais
Mulher que sempre quer mais
Mulher que é mulher demais.

Cabelos, pelos, anseios
Tudo ruim, exagerado
Tudo errado
Nesse corpo pequeno
De mulher incapaz.

Eles dizem, repetem
E não quero escutar!
Não sou obrigada a escutar!

Cabelo, cabelo ruim
Como assim?
É meu cabelo
Meu cabelo de mulher
De grande mulher
Que pode e que vai
Ser feliz
Ser feliz
Demais!

#13 – W.O

wo

Marcela e Rodrigo foram os escolhidos para disputar a final de um concurso literário promovido pela prefeitura de sua cidade.
Depois de várias etapas, pelas quais passaram com maestria, deixando os jurados embasbacados com tamanho talento para a escrita, era a hora de ver quem seria o melhor escritor jovem da cidade.
O desafio seria escrever um curto romance de até 120 páginas, tema livre. Teriam duas semanas para realizar o feito e entregar seus trabalhos. A partir do primeiro dia da grande final, Marcela e Rodrigo prepararam todo um cronograma para dar conta do desafio.
Rodrigo resolveu faltar as aulas na faculdade para focar-se em seu livro e sair vencedor do concurso. Durante as duas semanas, não colocou o pé fora de casa, não falou com amigos, não viu sequer a Juventus jogar a final da Champions League na televisão. Quando fazia uma pausa para descansar, Rodrigo ia comer o delicioso jantar preparado por sua mãe e em seguida fazia um roteiro das próximas cenas do romance, ajeitando todos os personagens que iriam se cruzar, as cenas, as frases de efeito que choviam em sua cabeça e os mínimos detalhes que fariam com que o livro não tivesse qualquer falha. No último dia do desafio, assim que colocou o ponto final em sua história, Rodrigo jogou-se na cama e dormiu até a hora de entregar o trabalho finalizado.
Marcela também preparou-se para a maratona. Tinha a ideia pronta na cabeça, inicio, meio e fim. A menina fora abençoada por alguém lá em cima com um talento para contar histórias. Era só imaginar um cenário, misturar a algo que realmente quisesse dizer e pronto! Todo um universo de personagens, enredo e estrutura fixavam-se em sua mente, dispensando a necessidade de anotar qualquer coisa no papel. Desde o primeiro dia, Marcela já sabia o que iria escrever e sabia que seria bom.
Porém, no segundo dia, sua mãe caiu doente. Dengue, foi o que os médicos disseram. O corre-corre fez com que Marcela adiasse seus planos de escrita. Afinal, família vem sempre em primeiro lugar.
Seu pai não pôde fazer muita coisa, pois trabalhava de 6h às 17h e tinha um patrão que não aceitava quaisquer desculpas. Chegava em casa cansado, quase morto, louco para comer o jantar que sua filha mais velha havia preparado.
No terceiro dia, Marcela teve de levar seus dois irmãos à escola. Na volta, precisou limpar a casa, preparar o almoço, checar a saúde de sua mãe, limpar os vidros, lustrar os móveis… Sentou-se para escrever, mas não conseguiu ir além da terceira página; era hora de buscar os irmãos e não podia atrasar um minuto sequer.
Marcela passou a noite toda em claro para que no quarto dia tivesse apenas 7 páginas prontas. Tirou um cochilo de duas horas e logo já estava de pé para levar seus irmãos à escola outra vez. Neste dia, seu pai chegou mais cedo do trabalho. “Faltou água”, ele disse, largando a camisa sobre o sofá e jogando as meias no chão. “Liberaram todo mundo, pois sem água ninguém pode trabalhar”. Marcela pediu para que seu pai comesse um sanduíche para o jantar, pois precisava adiantar o seu livro para a final do concurso. “Não posso comer sanduíche na janta!” replicou, ligando a tv para ver o jornal da tarde. “Amanhã vão fazer a gente trabalhar em dobro por causa da saída precoce de hoje, preciso estar bem alimentado! Não custa nada você fazer um ovinho e esquentar o feijão!”.
Marcela nem ligou seu computador para fazer um ovinho e esquentar o feijão para o seu pai. Mais uma vez, naquela noite, dormiu um par de horas para conseguir completar apenas mais  cinco páginas de sua história.
E assim os dias seguiram. Sua mãe apresentava uma certa melhora, mas nada ainda que a deixasse levantar da cama para fazer qualquer coisa. Repouso e alimentação eram essenciais para alguém se recuperar de uma dengue. No décimo dia, Marcela já via sua chance de ganhar o concurso e se tornar uma escritora cada vez mais longe. A crise de choro que teve durante a madrugada impediu que escrevesse uma linha sequer.
Havia chegado o dia para a entrega dos trabalhos. Marcela e Rodrigo chegaram ao mesmo tempo e se cumprimentaram na escadaria da prefeitura da cidade. Rodrigo tinha um sorriso de satisfação nos lábios. Marcela tinha os olhos vermelhos e o rosto inchado.
Rodrigo foi o primeiro a entregar o trabalho para a bancada do júri. 120 páginas corretas, devidamente encadernadas. Os jurados observaram o título e as primeiras páginas e sussurraram sobre o livro que tinha tudo para ser interessante.
Marcela olhou timidamente para a bancada e hesitou antes de entregar seu trabalho. “São só 90 páginas”, explicou a menina, sendo observada pelos olhares julgadores. “Foi só o que deu pra fazer, mas a história está completa! Minha mãe teve dengue e…”
Foi interrompida. O líder da bancada de jurados não deixou que se explicasse. Afinal, regras eram regras. Se o concurso havia dito que o romance precisava ter 120 páginas, então assim deveria ser. Pediu que a menina levasse suas folhas de volta para a casa, pois não poderia ser julgada.
Rodrigo foi dado como o grande vencedor mesmo sem ter tido o seu trabalho avaliado. Fechou um contrato decente com uma importante editora, teve seu nome estampado nos jornais da cidade como o jovem mais promissor da literatura no país e mesmo antes do lançamento do livro já havia ganhado uma legião de fãs e admiradores.
Enquanto Marcela… Ah, Marcela!
Marcela regressou à casa para fazer um ovinho e esquentar o feijão.