O Amor Pertence Às Pessoas Bonitas.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Pertence àqueles que sabem olhar
Agradar, conquistar
Ou regalar um belo sorriso.

Todos nós gostamos de ver alguém bonito.
O amor também.
Ele olha uma pessoa bonita
E outra pessoa bonita
E as põem juntas.
Um corpo bonito
E outro corpo bonito
E no mundo do amor
Tudo é uma grande festa.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Mas o que acontece com os feios,
o que acontece?
Com os enrugados, com os marcados
no corpo
na alma
na cara
o que acontece com eles
o que acontece?
Não acontece nada.

Neste mundo de reflexos
o amor não nos escolhe
o amor nos esquece.
A nós nada pertence
talvez apenas a sorte
de amar o amor de outros.

O amor não pertence aos feios.
Isso foi o que aprendi…

 

O Microfone.

 

Aconteceu no passado
Quando eu tinha cinco anos
No coral da minha igreja.

Um microfone na minha frente
E uma grande vontade de cantar.

Eu era pequena
Muito pequena
Então levantei
Me coloquei na ponta
Dos pés
Pus a boca sobre o microfone
E cantei.

Foi apenas uma frase
Uma pequena frase
Tão pequena quanto eu.
Foi apenas uma frase
Talvez não pequena o bastante
Para evitar os olhares ruins
De outras pessoas
Talvez não tão pequena
Pois a menina mais velha
Ao meu lado
Me pegou pelo braço
E disse:

Garota,
Você não deve se levantar
Você não deve falar
Sobre o microfone
Garota,
Você não deve levantar
Sua voz.

Como a boa menina
Que fui educada pra ser
Me calei e sentei.

Desde então
Eu não consigo levantar
Eu não consigo falar
Nada consigo pronunciar
Cada vez que chego perto
De um microfone.

(Não sou mesmo uma boa menina?)

Sigo (Aos Pouquinhos)

sigo

 

Aos pouquinhos vou indo.
Ainda é pesado, ainda dói
Mas sigo.
Sigo não sei de que jeito
Por que ou de que forma
Mas sigo.
Sigo porque talvez exista um lugar
Do outro lado do oceano
Talvez exista algo ou alguém
Me esperando.
Sigo porque já tentei morrer
e nem isso me fez feliz.
Sigo porque a saída é
Viver a vida
Agora.

Aos pouquinhos vou indo.
Devagar, bem devagar
Para algum lugar
Quem sabe
Para alguém…
Sigo.

Por Trás Da Porta.

port

Por trás da porta está minha casa
Minha casa cheia de palavras.
Sou formada por contos, romances
Biografias, ensaios, poesias
E todas, todas essas coisas que
Em alguma biblioteca caberia.
Nasci sendo palavra, mas palavra não posso ser.
Me dizem
“Pequena criança
O mundo não é como você vê!”

Será?

Já enfrentei dragões, percorri longas estradas
Já fui príncipe, já fui princesa
E até vilã de mim mesma.
Já vi muita coisa e muita coisa quis desver.
Já me neguei, me nego
É verdade, ainda me nego
Por causa daqueles que amei.

Por trás da porta está minha casa
Minha casa cheia de palavras.
Não vou mais arrumar os móveis
Esconder as falhas ou para debaixo do tapete varrer
Tudo o que me forma, tudo o que eu preciso ser.
É na bagunça que se faz a escrita.
Não quero mais me esconder.

Eu nasci sendo palavra
E de letras quero morrer.

 

Cabelos Demais

cabelos demais

Para todas as mulheres que já sofreram preconceito por causa de seu cabelo

Cabelo ruim
Ruim como mulher com vontade
Mulher dessas de garra
Que não temem dizer a verdade.
Ruim, cheios demais
De personalidade demais
Mulher que sempre quer mais
Mulher que é mulher demais.

Cabelos, pelos, anseios
Tudo ruim, exagerado
Tudo errado
Nesse corpo pequeno
De mulher incapaz.

Eles dizem, repetem
E não quero escutar!
Não sou obrigada a escutar!

Cabelo, cabelo ruim
Como assim?
É meu cabelo
Meu cabelo de mulher
De grande mulher
Que pode e que vai
Ser feliz
Ser feliz
Demais!

Ampulheta.

ssss

A pequena ampulheta a girar
a girar
a girar
a girar.
Me traz de volta
me puxa e
me joga
em um antigo lugar.

É como se existisse uma falha
no tempo e no espaço
onde o mesmo momento
se repete invisivelmente
novamente
novamente e
novamente.

Não me importa
quantos estejam dispostos
a ficar, o seu transporte
partindo em direção ao longe
é o que se repete e
repete
sem parar.

Passam os anos
Passam as vidas
e a ampulheta continua
a girar
a girar
a girar…

O Balão II

ccfd

 

O Balão I

O balão, o balão
Onde será que agora está?
Será que continua subindo
Continua sem parar?
Depois de todo esse tempo
Em que mundo foi se encontrar?

Minha criança ainda chora
Chora, chora sem parar
Não por ter perdido ele
O primeiro que conseguiu amar
Ela ainda chora
Chora, chora sem parar
Por não poder no céu
Junto ao balão
Voar.

Macacos, Aranhas e Calangos.

large

 

Sua atenção me faz querer voltar.
Minha solidão é labirinto e só em círculos consigo andar.
É desejo torpe.
Você, meu anseio, seu olhar.
É só a tal da atenção. Eu juro.
Quem dirá o primeiro ‘olá’?

Somos evoluídos, os mais evoluídos dos vivos.
Mas quando se trata de mistura
Todos nos pomos a dançar, a gritar
A mostrar nossas melhores cores
Tudo para uma mínima atenção conquistar.
Não somos diferentes dos macacos, das aranhas, dos calangos…
Sabemos falar, mas isso alguma vantagem nos dá?
É sempre o silêncio que escolhemos
E como bichos insanos
Investimos nos corpos para nos comunicar.

A verdade é que o quero e o quero mais do que posso explicar.

Mas como todo animal iniciante
Basta a ameaça de um olhar penetrante
Para dar meia volta e passar toda uma vida
Apenas desejando regressar.

Sonhos De Espuma.

sde

Quando criança, tinha sonhos de espuma.
Sua pequena mente criava grandes coisas.

O algodão doce era uma nuvem que se podia tocar.
As borboletas eram flores renascidas que aprenderam a voar.
Árvores eram as avós que morriam e se recusavam a abandonar seus netos.
E uma moeda de chocolate era privilégio de quem tinha fortuna.
Quando criança, o mundo era o seu lugar.
Cantava com os pássaros na primeira hora da manhã.
E um dia até casou um sapo com uma rã!
Folhas caídas do outono eram presentes do vento
Que largavam qualquer ventania para vê-la desfilar.
Quando era criança acreditava ser dona do mar.
Acreditava ser dona de tudo, até a mocidade chegar.

Então eles entraram.
Chamaram-na de boba, estúpida, imatura, cheia de muitos sonhos, sem noção de espaço e tempo.
Afinal, como pessoas poderiam falar com o vento?
Teve que aprender com os grandes a conviver, a grudar os pés no chão, a estourar as mais belas bolhas de sabão, a abrir tantos buracos em si até só sobrar espaço para a solidão.
Deram-lhe a receita de como matar-se para renascer, mas nenhuma asa de borboleta em suas costas esboçou crescer.
Quando criança, tinha grandes sonhos de espuma.

Agora era apenas adulta.