Hoje.

hoje

Para Nayara Marques.

Hoje acabou.
Depois de tantas idas e vindas, de tantas rotas perdidas e becos sem saída, finalmente encontrei o caminho de volta pra casa; de volta pra mim.
Hoje abro a porta da frente e deixo para trás o masoquismo. Deixo para trás o profundo abismo onde me deixaste abandonada, largada, amargurada, gritando aos quatro ventos por ajuda e apenas conseguindo ouvir o eco da minha própria voz.
Hoje paro e deixo de lado a obsessão, a solidão vazia e profunda que sinto diariamente pela frustração por tentar fazer-te amar-me. De tentar fazer-te enxergar-me, adorar-me e aceitar-me. Mas todo esse vício por sua atenção sempre ausente apenas resultou em um amor ignorado e um orgulho altamente ferido.
Mas hoje não.
Hoje não e nunca mais.
Porque aprendi a me olhar no espelho e perceber que mereço mais, muito mais.
Que existe sim alguém neste mundo capaz de me amar com minhas inseguranças, loucuras, paranóias e que até mesmo esteja disposto a lutar contra os meus fantasmas comigo. Que me ame pela minha alma, pelo que eu sou por inteiro e pelo posso vir a ser.
Por isso, hoje, deixo ir embora as esperanças de que poderias ser esta pessoa. Que se te ensinasse a lidar comigo, você iria querer realmente aprender. Mas não adianta. Porque é tudo apenas uma inútil agridoce ilusão. Afinal, tudo o que tenho de você não passa de uma piedade vulgar que com certeza não me levará a nenhum lugar.
Porém, dói… Ai, como dói!
Largar o vício e desgarrar da idéia do “pode ser” provoca uma dor insuportável. Me dói a alma, me invade o vazio, tremo de frio…
Ainda nem cruzei a porta e o pensamento de uma vida sem a sua presença, ainda que superficial, já se torna indescritivelmente dolorosa.
Ainda nem cruzei a porta e já sinto a ausência de seus olhos castanhos, de sua voz melodiosa cantando ao pé do meu ouvido, de seus beijos em lugares proibidos e de todos os momentos fugazes vividos.
Porém, dentre todas as coisas deste mundo, nada me fará mais falta do que seu sublime sorriso. Você sabe muito bem que ele é a minha perdição. Não importa o que faças, não importa o que aconteça, é só abrir os lábios sutilmente, desse jeitinho que você faz, que já tens todo o meu perdão.
Mas hoje não.
Hoje aprendi a amar o reflexo da garota em frente ao espelho e sigo em frente.
Deixo para trás toda uma vida sobre a areia movediça e desisto de vez deste amor parasita.
Então é isso.
Alço minha mão em um adeus definitivo e deixo as lágrimas rolarem pelo meu rosto.  Porque minha vida está prestes a mudar e ela está esperando ansiosamente por mim. Há um novo mundo a ser explorado e, para que isso suceda, preciso deixar o velho, onde você ainda vive, para trás.
Eu apenas posso lamentar sua falta de interesse e seu descaso eminente, pois se você fosse um pouco mais inteligente, veria que sou muito, muito mais do que apenas uma mulher carente.
Entretanto, hoje vejo que assim foi melhor. Percebo que se tivéssemos a oportunidade de construir uma relação, nossos mundos acabariam em completa destruição.
Por isso, já não há mais razão.
Então… Ah! Hoje eu respiro e sigo em frente! Coloco um pé após o outro e vou em busca da vida que sempre quis.
E consigo mesmo acreditar que finalmente posso ser feliz.

Cuera

Cuera

Carioca de nascimento e mineira de alma. Coleciona um pouco de tudo: séries, livros, filmes, cadernos, memórias, objetos inúteis e até horas infinitas de procrastinação (provavelmente estará no programa “Acumuladores” no futuro). É escritora e quer viver de fazer literatura (isso se o livro que está escrevendo sair algum dia das 18 páginas escritas)
Cuera

Últimos posts por Cuera (exibir todos)

3 comments / Add your comment below

  1. Lindo! Lindo! Lindo! … Você como sempre, consegue me surpreender, emocionar e encantar com os seus textos, pois só você, de forma única consegue transmitir sentimentos de forma tão, tão bonita!!! *-*

Deixe uma resposta