Estranhos.

estranhos 2

Há um garoto e uma garota em uma biblioteca.
Por semanas ele tem olhado para ela.
Por ela semanas ela tem olhado para ele.
Por semanas ele tem fingido que não olha.
Por semanas ela tem fingido que não olha.
Ele é muito tímido.
Ela é muito tímida.
Ele acha que não é bom o bastante para ela.
Ela acha que não é boa o bastante para ele.
Ele acha que levará um fora caso se aproxime e finalmente diga um simples “oi”.
Ela acha que ele pensará que é uma oferecida caso se aproxime e finalmente diga um simples “oi”.
Ele se esconde atrás dos seus livros.
Ela se esconde atrás de seus cadernos.
Ele sabe que ela morde a tampa da caneta quando está pensando.
Ela sabe que ele esconde as mãos nos bolsos quando está nervoso.
Ele desejava poder ser mais alto, mais bonito, mais extrovertido.
Ela desejava poder ser mais magra, mais inteligente, boa o bastante.
Ele acha que ela nunca irá entender e aceitar alguém como ele.
Ela acha que ele nunca irá entender e aceitar alguém como ela.
Ele é realmente estranho.
Ela é realmente estranha.
Ele é a alma gêmea dela.
Ela é a alma gêmea dele.
Mas esta história jamais terá um final feliz ou sequer um final.
Porque ele se recusa a dar o primeiro passo.
Porque ela recusa a dar o primeiro passo.
Ninguém anda, ninguém fala, ninguém faz absolutamente nada para mudar isso.
Eles são agora apenas um garoto e uma garota sentados em uma biblioteca.
E, talvez, é apenas isso que serão pelo resto de suas vidas.

Cuera

Cuera

Carioca de nascimento e mineira de alma. Coleciona um pouco de tudo: séries, livros, filmes, cadernos, memórias, objetos inúteis e até horas infinitas de procrastinação (provavelmente estará no programa “Acumuladores” no futuro). É escritora e quer viver de fazer literatura (isso se o livro que está escrevendo sair algum dia das 18 páginas escritas)
Cuera

Últimos posts por Cuera (exibir todos)

4 comments / Add your comment below

  1. Ai que triste! Mas é verdade, acontece muito, não só para relacionamentos, mas para outras coisas também. Lindo. s2

  2. Eu fiquei olhando pra tela do computador, lendo os versos do texto descontroladamente e até atropelando as palavras algumas vezes. Eu jah disse mil vezes que amo TUDO o que vc escreve. E eu tb to sempre pensando q existe um limite q não da pra ultrapassar, mas vc vai lá e faz melhor. Parabéns pelo blog e por inspirar a minha vida com suas palavras. É do fundo do meu coração, juro.

  3. Ai que coisa linda! Adorei! Coisas desse tipo acontece em qualquer lugar né. A timidez, o receio… Pensar mil vezes antes de dar o primeiro passo! O que aquele primeiro passo pode representar para a outra pessoa. O medo da recusa… A vida é tão curta! Temos que nos arriscar, se queremos tanto algo. E esses dois deveriam de alguma maneira se encarar e pode até surgir dai uma linda história de amooooooor. 🙂

Deixe uma resposta