Imagine.

Imagine se eu pudesse escrever todas as coisas que eu gostaria de escrever.
Imagine, apenas imagine, se eu pudesse dizer que sou apaixonada pelo mar, tão apaixonada, que eu evito chegar perto pois tenho medo de deixar tudo para trás, mergulhar nele e me afogar.
Imagine se eu pudesse confessar que todo o meu corpo é estranho para mim, como se meu espírito estivesse no lugar errado, como se ele devesse estar em outro corpo, e por pelo menos um momento não sentir culpa por isso.
Imagine se eu pudesse colocar em palavras como esse corpo estranho treme cada vez que encontra outro corpo estranho e que eu tremo, eu tremo, eu tremo tanto que todo esse terremoto dentro de mim me faz esquecer as palavras de minha própria língua. Imagine como seria bom se eu não fosse julgada por isso. Imagine como seria bom se eu não odiasse a mim mesma por isso.
Imagine, apenas imagine, se eu tivesse talento com as palavras e pudesse moldar todos esses sentimentos ruins em poesia como minha melhor amiga faz. Se eu fosse capaz de usar metáforas, ritmo e imagem para descrever como eu sofro todo dia desde criança por sentir que esse lugar me faz mal.
Mas não consigo.
Eu só consigo dizer que eu sofro todos os dias desde a infância por sentir que esse lugar me faz mal. Sem metáforas. Sem ritmo. Sem imagem. Assim mesmo, de forma clara e sem graça.
Imagine o quão longe eu poderia ir se realmente acreditasse que sou uma borboleta, porque eu me sinto tão próxima a elas que esqueço ser humana. Mas não posso acreditar que sou uma borboleta porque fui ensinada desde tenra idade que sou humana, de carne, osso e sem asas, e que eu devo me convencer disso. (20 anos depois e eu ainda não consigo me convencer disso).
Imagine se eu pudesse admitir todas essas coisas em público, deixando todo o podre ir embora e finalmente deixando de vomitar sentimentos em forma de bile, de sentir meu estômago doer toda a porra do dia, deixando de ter esses pesadelos que sugam toda a energia boa da minha alma e finalmente falando, cantando, gritando, finalmente, finalmente… sendo eu.
Sem vergonha. Apenas um dia na minha vida sem sentir vergonha.
Imagine se eu pudesse viver sem vergonha. Ah, é um pensamento maravilhoso! Mas, ainda assim, apenas um pensamento.
Imagine se eu pudesse escrever todas as coisas que gostaria de escrever.
E pudesse viver o mar.
E pudesse me sentir.
E pudesse me relacionar.
E pudesse ser poesia.
E borboleta.
E pudesse falar.
Sem vergonha.
Simplesmente falar.
Aqui e agora.
Imagine.
Apenas imagine.

São Tempos Difíceis Para Os Sonhadores, Mas…

São tempos difíceis para os sonhadores.
Tudo o que falo, tudo o que digo são palavras em direção a um propósito maior. Não há mais histórias, poesia, sonhos, fantasia. Agora só há espaço para luta, para o sangue, para o grito pela vida!
São tempos difíceis para os sonhadores e aqueles que acreditam num mundo melhor. Se o mundo já foi melhor antes, por que não pode voltar a ser?
Por quanto tempo mais teremos que lutar até que todos os seres humanos se enxerguem como humanos?
É muito cansativo, me sinto exausta… está difícil respirar.
Sinto falta de sonhar. Sinto falta de ver imagens em minha cabeça que falavam de amor, de perdão, de superação. Os personagens que batiam à minha porta e diziam “hey, conte minha história!”. Mas até eles se esconderam e tremem de medo. Ninguém mais quer contar histórias. Agora só o medo reina, a ansiedade, a falta de ar constante, os olhos pesados de tantas palavras envenenadas, de tantas imagens de violência e desespero.
São tempos difíceis para os sonhadores. Mas os sonhos são nossa única arma. Nosso único meio de acabar com a violência, com a opressão, com o ódio que vem disfarçado de justiça. E se há sangue, não é justiça: é vingança.
São tempos difíceis para os sonhadores, mas de alguma maneira estamos aqui.
Se não estivermos, quem estará?
Como Atlas, somos nós que sustentamos o mundo, é por nós que tudo ainda gira, que a semente ainda cresce, que a luz se espalha, que a palavra floresce. Mesmo com as pernas bambas, com as mãos trêmulas, com o coração apertado, estamos aqui. E vamos continuar…
Tenhamos força, sonhadores! Unamos as mãos, os corpos, as palavras, os sonhos!
É tempo de lutar!
Se nós não florescermos, quem florescerá?
Se nós não criarmos, quem criará?
Se nós não sonharmos, quem sonhará?
Quem sonhará, amigos? Quem sonhará…?

Coisas Que Se Rompem.

A casa está vazia.
Sou uma menina a espera pelo pai
Um pai que ainda não chegou.
Mamãe está na cozinha
Chora e não sei por que
Quebra um prato e pede que me afaste
Pede que me afaste
E não me deixa ver.

Agora, nem os barulhos estão.
Tudo, todos nos deixaram
E nesta casa vazia
Só nos resta solidão.

Agora, mamãe chora por seu prato quebrado.
Talvez chore por mais.
Sou uma menina à espera pelo pai
E também uma menina que não se atreve
A regressar à cozinha.

O relógio marca dez e meia.
Ele ainda não chegou.
Sozinha, mamãe segue chorando
E como chora por seu prato quebrado!

Pratos, vidas, infância…
Existem coisas que se rompem e não têm mais conserto.

Sou uma menina à espera pelo pai
Mesmo já sendo mulher.
Em mim, o tempo se rompeu às dez e meia.

A casa está vazia.
O silêncio sussurra o abandono.
Ele nunca chegou.

E Se?

 

E se eu parasse de sentir medo?
E se eu abrisse a gaiola, saísse para o mundo, se abrisse meu peito, se respirasse mais fundo?
E se eu vencesse meu pavor de pessoas, se pisasse mais forte, se cantasse mais alto, se falasse o que penso sem temer os olhares, sem me importar com os lamentos?
E se acreditasse que sou inteligente (o bastante), que tenho talento (o bastante), que posso sonhar e realizar, que posso seguir, conseguir o que quero, o que preciso, o que mereço?
E se eu largasse essa necessidade de aprovação, a obsessão em ser amada – por tudo, por todos – e se eu olhasse no espelho e visse alguém que vale a pena?
E se eu pudesse perdoar meu pai, e se eu pudesse recompensar minha mãe -por tudo, por todos -, e se eu pudesse largar essa culpa por nunca conseguir ser o brilho nos olhos dos outros?
E se eu pudesse sobreviver de arte, sobreviver de letras, se pudesse dizer a verdade, a minha verdade, sem precisar me esconder para evitar sofrer – por tudo, por todos -, e se eu pudesse ser quem eu nasci para ser? (Esconder só aumenta o sofrer)
E se eu pudesse finalmente começar a viver?
E se?

O Amor Pertence Às Pessoas Bonitas.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Pertence àqueles que sabem olhar
Agradar, conquistar
Ou regalar um belo sorriso.

Todos nós gostamos de ver alguém bonito.
O amor também.
Ele olha uma pessoa bonita
E outra pessoa bonita
E as põem juntas.
Um corpo bonito
E outro corpo bonito
E no mundo do amor
Tudo é uma grande festa.

O amor pertence às pessoas bonitas.
Isso foi o que aprendi.
Mas o que acontece com os feios,
o que acontece?
Com os enrugados, com os marcados
no corpo
na alma
na cara
o que acontece com eles
o que acontece?
Não acontece nada.

Neste mundo de reflexos
o amor não nos escolhe
o amor nos esquece.
A nós nada pertence
talvez apenas a sorte
de amar o amor de outros.

O amor não pertence aos feios.
Isso foi o que aprendi…

 

Branca De Neve Na Floresta.

 

Estou entrando em uma floresta, uma floresta de pedra. Ouço o barulho dos saltos sobre o chão de mármore e em meu peito apenas o silêncio. Nenhum ar entra, nenhum ar sai. Estou entrando na floresta e não consigo pensar.
Olhos me miram, me esperam e aguardam. As palavras que mantive alinhadas por toda a noite agora são redemoinhos na cabeça. Estou entrando na floresta, os saltos batem e batem, não penso e a consequência é não saber o que dizer.
Olhos me miram, muitos olhos, por todos os lugares, por todas as partes. É um pesadelo ao vivo e a cores. Olhos bravos, semicerrados, olhos que me observam e esperam, olhos que me desesperam.
Não sei o que acontece, apenas acontece. Me coloco na frente, estico a coluna tudo está bem, eu digo, tudo está bem, está bem, não, não está nada bem.
Não sei o que acontece, apenas acontece.
Não sei… Não sei.
Quero gritar, mas não faço nenhum som. Quero fugir, mas minhas pernas tremem demais para que eu possa dar qualquer passo sem cair. Mãos invisíveis apertam meus ombros, os olhos me miram, meu Deus, será que estão percebendo?
Olhos me miram e não sei, não sei!
Estou aqui e agora? Estou aqui e, meu Deus, só quero sair!
Solto uma risada (sempre o riso dissimulado!) e sigo em frente. Tudo está bem, está, se não está, vai ficar. Solto as palavras presas, jogo o redemoinho para a plateia confusa. Eles que peguem as palavras, eles que as organizem em fila indiana, que façam algum sentido disso. Eu não sei mais o que faço, apenas faço. Já não sou gente, já não sei o que sou, talvez uma máquina emitindo um som arranhado, prestes a dar defeito (acho que já dei…). Apenas termino a tarefa com sorriso de miss e uma piada impertinente.
O barulho dos saltos sobre o chão e meu peito em chamas. Saio da floresta, mas o pavor não sai de mim. Me escondo no canto, a vida segue, os olhos desviam, uma outra pessoa entra na floresta e as palavras saem em fila indiana (me pergunto se ela também está em chamas).
A vida segue, mas eu não.
Eu parei aqui.

O Microfone.

 

Aconteceu no passado
Quando eu tinha cinco anos
No coral da minha igreja.

Um microfone na minha frente
E uma grande vontade de cantar.

Eu era pequena
Muito pequena
Então levantei
Me coloquei na ponta
Dos pés
Pus a boca sobre o microfone
E cantei.

Foi apenas uma frase
Uma pequena frase
Tão pequena quanto eu.
Foi apenas uma frase
Talvez não pequena o bastante
Para evitar os olhares ruins
De outras pessoas
Talvez não tão pequena
Pois a menina mais velha
Ao meu lado
Me pegou pelo braço
E disse:

Garota,
Você não deve se levantar
Você não deve falar
Sobre o microfone
Garota,
Você não deve levantar
Sua voz.

Como a boa menina
Que fui educada pra ser
Me calei e sentei.

Desde então
Eu não consigo levantar
Eu não consigo falar
Nada consigo pronunciar
Cada vez que chego perto
De um microfone.

(Não sou mesmo uma boa menina?)

Sigo (Aos Pouquinhos)

sigo

 

Aos pouquinhos vou indo.
Ainda é pesado, ainda dói
Mas sigo.
Sigo não sei de que jeito
Por que ou de que forma
Mas sigo.
Sigo porque talvez exista um lugar
Do outro lado do oceano
Talvez exista algo ou alguém
Me esperando.
Sigo porque já tentei morrer
e nem isso me fez feliz.
Sigo porque a saída é
Viver a vida
Agora.

Aos pouquinhos vou indo.
Devagar, bem devagar
Para algum lugar
Quem sabe
Para alguém…
Sigo.

Desculpe, Mas Não Posso Sair Esta Noite.

perfe

 

Eu preciso lhe comunicar a minha ausência no dia de hoje. Estou certa de que sua festa será ótima e espero que todos se divirtam muito, mas eu não posso sair esta noite. E não é que eu tenha outro encontro ou outras coisas para fazer… Sendo sincera, eu tenho sim muitas coisas para fazer, todas as noites, todos os dias, a todo o tempo, é só que… não consigo.
Veja, eu pareço estar de pé, me movendo um pouco pra cá, andando um pouco pra lá, mas apenas pareço. A verdade é que na maioria das vezes, quando as cortinas estão fechadas e as portas trancadas, estou deitada e nem um osso em meu corpo se move. Tudo está tremendo. Meus pensamentos não param de correr por todos os lados e correm e correm e correm e correm e meu corpo não consegue acompanhar a corrida. Estou deitada, mas meu coração bate, bate, bate contra minhas costelas e vai minando aos poucos qualquer controle respiratório que eu tente fazer para manter tudo aqui dentro no lugar.
Poderia tentar me entender? Não?
Vejo seus olhos me julgando. Eu sei que você foi criado para a ação, para a criação, aliás, não fomos todos? E eu sei que você nunca sentiu seus órgãos tremendo, suas mãos chacoalhando e sua boca tão seca  a ponto de fazer-lhe pensar que você irá morrer de sede a qualquer momento e eu entendo que é difícil de entender por que isso acontece quando nada aconteceu de verdade. Está tudo na minha cabeça, aqui dentro, mas não consigo tirá-lo com minhas mãos fracas.
Como se sente ser normal? De verdade, diga-me, como se sente ser uma pessoa que sabe ser pessoa?
Me ensinaram muitas coisas na escola e no núcleo familiar, mas não me ensinaram a ser pessoa. Não me ensinaram a me divertir como todo mundo, a dançar como todo mundo, a paquerar, respirar, viver, essas coisas, essas coisas simples da vida. Eu não sei quando foi que algo começou a dar errado, mas deu. Simplesmente deu e agora… Agora não sei. Ninguém sabe, eu acho. Então eu sento aqui e espero até que alguém saiba, até que alguém me dê uma pílula milagrosa que vai conectar algo desconectado em meu cérebro e então serei vocês, então serei como todos. Mas até lá, meu Deus!, até lá eu não sei…
Não sei de nada e só “não sei” sei dizer. Desculpe, eu queria ter algo mais a dizer, algo mais a justificar, mas adivinha? Pois é, eu não sei…
Então desculpe o transtorno, desculpe a avalanche de confusão, desculpe privar-lhes de minha presença (ainda que eu sinceramente acredite que todos vocês estarão melhor sem mim, Deus sabe, eu estaria melhor sem mim…), desculpe estar falando assim tão em cima da hora, mas é que acreditei até o ultimo minuto, acreditei que dessa vez conseguiria, mas hoje ainda não dá pra mim. Desculpe, mas eu realmente não posso sair esta noite.
Preciso de mais tempo, ainda que não tenha certeza pra quê exatamente eu preciso.
Fica pra próxima, quem sabe não estarei bem até lá? Quem sabe então não aprenderei a ser alguém, a ser pessoa e tudo aqui escrito vai ficar para trás como um texto de ficção de um personagem de alguém?
Quem sabe, não é?
Eu não sei.
Mas espero um dia saber.

17 – Ainda Temos Onde Nos Agarrar?

girl-with-a-balloon-by-banksy

 

O mundo inteiro acompanhou ontem a apuração de votos da eleição americana. Mesmo aqueles que nunca haviam se interessado por política americana ficaram ligados, seja pela internet ou pela TV, para acompanhar o maior embate político dos últimos tempos. E acredito que a maioria não tenha se apaixonado pela política da noite por dia… Mas sabiam que um candidato racista, misógino, xenófobo etc. não podia sair vencedor da eleição mais importante do mundo, principalmente quando esse mesmo mundo precisa cada vez mais de amor e aceitação. Mas foi exatamente isso que aconteceu.
Acordamos assustados. Acordamos sabendo que um louco, sem qualquer experiência prévia na política ou nas forças armadas, agora tem um enorme poder nas mãos. Um homem que abusa de mulheres, que dispara frases de ódio contra mulçumanos e latinos, que prega um discurso bélico, e que agora tem o poder de decidir sobre o uso de armas nucleares ou se lutar contra o aquecimento global vale a pena ou não.
Pessoalmente, me interesso e leio muito sobre política americana desde o 11 de Setembro. E não porque acho os EUA um lugar maravilhoso ou porque desgosto do meu país, mas sim porque desde então eu me dei conta de que tudo o que acontece por lá afeta todos nós. E se ainda tem alguém que pensa que o que aconteceu ontem não vai afetar ninguém além das fronteiras americanas e que isso não deve ser da preocupação de brasileiros, por favor, se informe, estude, saiba o que está acontecendo fora da sua bolha, porque sempre afetou e continuará afetando cada vez mais. Goste ou não, os EUA detém o poder sobre a maior parte do mundo. Se um pauzinho dos pilares do planeta como conhecemos hoje for retirado por eles, caímos quase todos. É uma droga, mas é assim que é.
O ódio está crescendo como um câncer fora de controle. Banalizamos a violência, achamos normal o machismo, vemos crianças morrendo afogadas ou soterradas por prédios explodidos na Síria e em seguida vamos jantar. E ainda continuamos com o discurso de “não adianta fazer nada”. Por quanto tempo mais seguiremos apáticos em relação a tudo o que acontece?
É verdade, talvez não tenhamos poder político ou financeiro para fazer muita coisa. Nossas vidas já são complicadas o bastante. Mas você não precisa sustentar a África ou concorrer a um cargo político para fazer a diferença. A mudança se apresenta aos nossos olhos todos os dias, nas mínimas coisas, e geralmente passam despercebidas. Não são os acordos políticos que mudam o mundo. São os pequenos gestos de cada dia. E isso todos nós podemos fazer… juntos!
Após o desespero e a estupefação que tomou conta de todos ontem à noite, enquanto muitos choravam e outros sentiam raiva daqueles que batem no peito e se orgulham por discriminar um semelhante, uma luzinha de esperança começou a surgir. No Twitter, famosos e não famosos fizeram uma pequena promessa, uma promessa de 140 caracteres, de cuidar um do outro em tempos tão difíceis. Prometeram que serão pacientes com os que ainda não entenderam a gravidade da exclusão; prometeram que irão agir cada vez que virem alguma discriminação nas ruas, que irão defender as minorias, que espalharão paz e amor em todas as oportunidades, até nas mais difíceis; prometeram que serão luz no meio de tanta escuridão, um sopro de esperança para os desesperados, a força que não possuem os mais fracos. Façamos o mesmo por aqui.
A vitória de Donald Trump deu voz àqueles que lutam por uma supremacia de raça, de gênero e de religião. Cada vez mais vemos a quantidades de lobos que estão espalhados pelo mundo, uivando suas ideias loucas e assassinas. E a pior parte de tudo é ver pessoas que amamos fazerem coros a essas vozes. Li comentários que pregavam que deveríamos virar às costas para quem apóia esse tipo de políticos. Entretanto, será esse o caminho certo? Não será que virar as costas para nossos amigos, para nossas famílias, para aqueles que amamos por causa de suas visões “tortas” do mundo é fazer o mesmo que “o lado de lá”, que é excluir? Se lutamos contra a exclusão, não é incoerente fazer o mesmo “do lado de cá”? Eu proponho uma outra ideia. A ideia de que podemos conversar, convencer, informar aos que estão próximos de que a ideia do totalitarismo e a falta de empatia num mundo globalizado como o nosso já não cabe mais. Que somos livres para desgostar de muitas coisas, mas que não podemos deixar que esse nosso desgosto saia de nós e machuque alguém. Pregar a ideia de que seu direito acaba quando começa o direito do seu próximo. E precisamos fazer isso com a voz baixa, com paciência e com um olhar amoroso. Não é berrando e atirando pedras que vamos ser diferentes daqueles que julgamos ruins e nocivos, pois eles fazem exatamente isso. O maior perigo de uma luta talvez seja nos transformar naquilo que mais desprezamos.
Mantenham isso em mente. Assim como ontem centenas de pessoas começaram uma corrente de promessas para o bem, comecemos uma hoje aqui também. Não iremos mudar a cabeça de todo mundo, mas qualquer pessoa que consiga ver o absurdo e o crime que é odiar alguém por causa das escolhas que essa pessoa fez para a própria vida, já será uma vitória. Não desistam daqueles que ainda mantêm uma mente fechada: com calma, amor e muita, mas muita paciência, você pode obter resultados inimagináveis. Vamos acreditar e lutar por isso.
Hoje é um dia de luto para todos aqueles que tinham a esperança de ver uma mulher presidente do maior cargo político do mundo e que acreditam na integração e na compreensão entre povos. Vamos chorar nossas lágrimas e tirar esse dia para refletir tendo em mente que, a partir de amanhã, nossa luta por um lugar melhor precisa recomeçar. É muito difícil tirar forças do nada quando vemos tanta maldade e morte todos os dias ante nossos olhos. Nesta manhã eu mesma acordei pensando se isso tudo vale a pena e se ainda há no que se agarrar. Até que minha mente me lembrou de uma cena da minha história favorita de todos os tempos, que queria deixar aqui e compartilhar com vocês. Esta cena mudou minha vida e me dá forças cada vez que eu começo a acreditar que nada vale a pena. Espero que tenha o mesmo efeito sobre vocês também.

 

 

Para finalizar, deixo aqui minha frase preferida de Abraham Lincoln, para muitos o maior presidente americano da História. Não necessito dizer mais nada… ela fala por si só.

abraham_lincoln_pode_se_enganar_a_to_nl