Resenha 12 – The Kiss of Deception: Crônicas de Amor e Ódio – Volume 1

kiss-of-deception-capa-final-volume-1-darksidebooks

“Eu encontrarei você.
No recanto mais longínquo, eu encontrarei você”.

Já faz algum tempo, que venho lendo resenhas sobre The Kiss of Deception, e o quanto sua leitura é incrível e imprescindível, por isso, fiquei ansiosa pelo seu lançamento, comprei o livro na pré-venda e fiquei contando os dias, para que ele chegasse, e agora, após concluir a leitura, tenho que concordar com todas as resenhas positivas que li.
O livro conta a história da Princesa Arabella Celestine Idris Jezelia, Primeira Filha da Casa de Morrighan, ou Lia, como é conhecida pelos seus irmãos e sua fiel amiga Pauline. Lia não queria ser Princesa, assim como, não queria o casamento arranjado por seu pai, ela queria o “mundo” que não foi imposto a ela, por isso, no dia do seu casamento, ela foge para Terravin, buscando uma vida que ela pudesse escolher, buscando ser amada por quem era. O que Lia não esperava era que o Príncipe abandonado, assim como um assassino, partiriam em uma viagem a sua procura.
E é nesse ponto que Mary nos surpreende, pois esse poderia ser apenas mais um livro que apresenta um triangulo amoroso, mas não, ao longo da excelente escrita da autora, que mescla a narração de Lia, o Assassino, o Príncipe, Rafe e Kaden, somos apresentados a um mundo e uma linguagem totalmente novos, acompanhando o crescimento de Lia e junto a ela, conhecemos Rafe e Kaden, sem saber ao certo, quem é o Príncipe e quem é o Assassino. Os dois possuem características apaixonantes e mistérios, e para além do que os motivaram a procurar Lia, crescem enquanto personagens, o que me fez querer entender os seus costumes e motivações.
Em sua jornada, Lia nos apresenta boas reflexões sobre nossos deveres, nossa devoção à família, aos amigos, a quem amamos e nos importamos, assim como, nos faz perceber, que nem tudo é tão feio ou bonito, quanto aparenta e muitas vezes, precisamos aprender a escutar, para entendermos o nosso papel no mundo.
Este é o apenas o primeiro livro da saga de Lia, que conta com um final tão impressionante, que mal posso esperar pelo segundo livro. Acredito que todos que gostam de um bom mistério, assim como um bom romance, deve se entregar a esse lançamento eletrizante. Mary E. Pearson criou um mundo totalmente novo, com costumes e cânticos que devem conhecidos, um mundo com linguagem e disputas próprios, um mundo onde Primeiras Filhas precisam conhecer seus dons, e que possui vários mistérios a serem descobertos.
É impossível falar do livro, sem citar a excelente edição da DarkSide. O livro é em capa dura, e apresenta uma edição belíssima, com mapas do mundo criado por Mary E. Pearson. Estou na torcida para que a editora publique o restante dos livros aqui no Brasil. Boa leitura a todos que aceitarem se renderem a esse mundo, tenho certeza que não iram se arrepender.

“Os bons não fogem, Lia”.

Título: The Kiss of Deception: Crônicas de Amor e Ódio – Volume 1
Autora: Mary E. Pearson
Editora: DarkSide
Páginas: 406
Ano de Lançamento: 2016

Conheça Julia Quinn e “Os Bridgertons”.

Bridgertons_JuliaQuinn

“Os Bridgertons são, de longe, a família mais fértil da alta sociedade. Essa qualidade da viscondessa e do falecido visconde é admirável, embora se possa dizer que suas escolhas de nomes para os filhos sejam bastante infeliz. Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth. É claro que a organização é sempre algo benéfico, mas seria de esperar que pais inteligentes foram capazes de manter os filhos na linha sem precisar escolher seus nomes em ordem alfabética.
Crônicas da Sociedade de Lady Whistledow – 26 de abril de 1813” (O Duque e Eu – Páginas: 15 e 16)

A autora e sua obra: Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi à autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico. (Fonte: Skoob)

Composta por oito livros, a série “Os Bridgertons”, conta a história dos oito filhos do Visconde Bridgertons e sua incrível esposa, a Viscondessa Violet Bridgerton. Sendo os livros, ambientados em Londres e no XIX, estes retrataram com maestria o contexto da época e apresentam romances incríveis para quem é fã do gênero. A série “Os Bridgertons”, que inicialmente seria uma trilogia, relata à história dos irmãos: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth, sendo que, cada livro, apresenta um dos filhos Bridgerton como protagonista (E apresenta claro, um pouco dessa família que é tão amada). No Brasil, a Editora Arqueiro, já lançou os 7 primeiros livros, com o lançamento do último previsto para o primeiro semestre de 2016. Movida pelas perguntas e curiosidades dos fãs, Julia Quinn, lançou ainda, uma edição extra, com novos epílogos para todas as histórias, ainda sem data de lançamento por aqui.

the_bridgertons_by_bechedor79-d4rmhmz

Minha opinião (e/ou meu amor) sobre “Os Bridgertons”: Estou completamente apaixonada pelo universo (e pelos Bridgertons), criados por Julia Quinn. Sou fã de romances, principalmente os que costumam ser chamados de “água com açúcar”, mais que isso, amo ler sobre realezas e coisas afins e acredito que encontrei o melhor do gênero, nessa série. Quando minha querida amiga Luna, me presenteou com “O Duque e eu” – Primeiro livro dos Bridgertons, que tem a Daphne como protagonista – não imaginei que fosse gostar tanto e ficar tão viciada. Julia criou personagens incríveis, ambientando-os em uma Londres apaixonante, e ao terminar cada livro, só aumentava o meu desejo de me tornar uma Bridgerton, seja por nascença ou casamento, e participar dos incríveis chás e/ou bailes, por eles promovidos.
Atualmente, já li os quatro primeiros livros da série e o que mais impressiona, é que todos, a sua maneira são ótimos, e um, sempre está superando o outro, seja pela mensagem ensinada, ou pelos romances incríveis, que me fez suspirar ao longo da leitura. Outro fator, que vem me deixando ansiosa pelos próximos livros, é que, além dos Bridgertons serem uma família espetacular, Julia, aos poucos, apresenta os personagens dos próximos livros, o que me deixa (SUPER), ansiosa para conhecer todos e descobrir como será a sua história, por exemplo, Colin Bridgerton, é o protagonista do quarto livro, e no primeiro livro, eu já estava completamente apaixonada por ele e ansiando conhecer sua história, e quando finalmente li “Os Segredos de Colin Bridgerton”, não me decepcionei, elegendo o livro, como um dos meus favoritos. Agora, preciso terminar de ler a série e mesmo estando ansiosa para conhecer um pouco mais, sobre os irmãos restantes, já sinto que preciso chegar no sétimo livro e ler um pouco mais sobre a Hyacinth, a caçula da família, que já aprendi a amar.
Sim, literalmente, posso falar, que os Bridgertons, são o meu novo vício. Há muito tempo, uma série de livros não me encantava tanto, a ponto de me fazer pesquisar sobre eles, aguardar ansiosamente pelo próximo livro e, devorar todos os livros, pois simplesmente é impossível deixar o livro, antes de ler o final. Se você também é fã de romances e procura bons livros para preencher seu tempo, tenho certeza que não irá se decepcionar com essa família tão encantadora e amada.

“Um homem charmoso é muito agradável e um homem de boa aparência é, sem dúvida, uma visão que vale a pena, mas um homem honrado, ah, querida leitora, é para ele que as jovens deveriam correr. Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown – 2 de maio de 1814” (O visconde que me amava – Página: 151)

Conheça os livros:

c3a1rvore-genealc3b3gica-da-familia-bridgerton

O oitavo livro da série, ainda não possui título e capa divulgados.

Resenha 11 – Quase uma Rockstar

images.livrariasaraiva.com.br

“ …  – Por isso sou tão obcecada por Nietzsche. E aqui está uma citação que nunca cheguei a compartilhar: “Devemos considerar perdido todo dia em que não dançamos pelo menos uma vez. E devemos chamar de mentira toda verdade que não for acompanhada por pelo menos um sorriso”. (…) Continue fazendo as pessoas rirem, Amber. Pelo menos até ficar velha e grisalha. Ria de si mesma, e os outros sempre rirão com você.”.

Sou fã do Matthew Quick! Desde que, li “O lado bom da vida”, passei a admirar o autor e sempre procuro notícias sobre os seus livros e futuros lançamentos. Há pouco tempo, li “Perdão, Leornard Peacock” e me encantei novamente com a escrita do Matthew e fiquei ansiosa para conhecer “Quase uma Rockstar”. O adicionei a minha lista de livros desejados, sem ler a sinopse ou resenhas, apenas porque queria conhecer mais a escrita do Matthew. Ganhei meu exemplar de Natal/Aniversário, e ele se tornou muito especial, mesmo antes da leitura, pois ao longo do livro, minha mãe fez dedicatórias encantadoras, que em muitos momentos completaram a estória.
Mesmo conhecendo a escrita e competência do Matthew, em nenhum momento, me preparei para o turbilhão de emoções que é “Quase uma Rockstar”. O livro conta a história de Amber Appleton, uma adolescente de 17 anos, que mesmo estando desabrigada e morando com a mãe alcoólatra e o seu melhor amigo, seu cachorro Triplo B, em um ônibus escolar, se declara a Rainha da Esperança. O livro é sobre uma adolescente, mas não deve ser lido só por adolescentes, muito pelo contrário, todos deveríamos nos render as a vida de Amber, seus grandes amigos (entre eles, um ex soldado de guerra, uma advogado de sucesso, quatro adolescentes que não se encaixam, velhinhos abrigados em asilos, e divas coreanas!!), seus trabalhos voluntários e seus questionamentos sobre a fé em Jesus Cristos, a fé no ser humano e principalmente, sobre sermos sempre, proclamadores de esperança.
Ao longo da leitura, me envolvi tanto com o livro e os personagens, que quando percebia, eu estava sorrindo junto a Amber, chorando junto com a personagem, sentindo vontade de cuidar dela e mais que isso, sentia que podia conversar com ela, principalmente sobre os questionamentos que a personagem faz sobre a vida e o ser humano, sobre a bondade das pessoas, sobre perda, luto e recomeços, afinal, quanto de nós, já sentimos que não aguentamos mais? Que estamos sozinhos ou que talvez, aquilo que tínhamos certeza, já não nos assegura de mais nada? Porém, assim como ensina o livro, não estamos sozinhos, é preciso acreditar, é preciso amar e é preciso recomeçar!
“Quase uma Rockstar” entrou para a minha lista de livros favoritos e acredito que por muito tempo, me lembrarei da Amber, rainha da Esperança, que como o Pat, de “Um lado bom da vida”, ganhou meu coração e me proporcionou excelentes momentos e uma leitura inesquecível, fazendo com que Matthew Quick, se firmasse de vez, entre os meus autores favoritos. Se procuram um livro divertido, com momentos e personagens únicos, fica a dica de leitura, que tenho certeza, irá surpreender você, fazendo com que se apaixonem pela personagem, que pode ser adolescente, mas já sabe mais ,que muitos adultos por aí! Boa leitura!

Título: Quase uma Rockstar
Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Ano: 2015
Páginas: 256

Os Melhores De 2015 – Por Nayara Marques

Como é difícil escolher apenas um livro, filme, música e seriado, para o meu ano de 2015, especialmente, porque não tive muito tempo livre esse ano, logo, não li ou assistir quase nada. Considerando que o ano ainda não acabou, considerei os meus favoritos até 20 de dezembro, mais ou menos, pois ainda quero ler alguns livros no recesso do final do ano e espero que eles me surpreendam. Espero que gostem das minhas escolhas, e de coração, desejo um Feliz Natal e um 2016 especial e repleto de boas surpresas para todos nós!!

1) Melhor Livro: O lado feio do amor – Colleen Hoover

11659444_444455085726765_6251552024716780304_n

Tive boas surpresas esse ano, no skoob, a maioria dos livros que eu li, classifiquei com cinco estrelas, mas acredito que nenhum me marcou como “O lado feio do amor”. Descobri a Colleen em 2014 e desde então, todo livro dela, vem sendo uma grata surpresa. Colleen cria personagens incríveis e expressa os seus sentimentos de forma tão incrível, que é impossível não se apaixonar por seus livros e ter ressacas literárias eternas. Como disse na resenha que fiz para “O lado feio do amor” , neste livro, pude aprender que o amor nem sempre é mágico e/ou bonito, porém, se não deixarmos de acreditar e não termos medo de nos entregar, ele pode nos salvar de uma forma única e de tirar fôlego!

2) Melhor Filme: Cinderella

Cinderella_2015_official_poster

    (Como foi difícil deixar “A Teoria de Tudo” fora dessa lista)
Sou uma eterna apaixonada por princesas (e pela Disney), por isso, já nos trailers de Cinderella, fiquei super ansiosa para o lançamento do filme, mas nem toda expectativa criada, me preparou para a perfeição desse filme e a emoção que senti ao assisti-lo. Como foi bom voltar a sonhar com Cinderella, como foi bom me apaixonar novamente por essa história, amar nossa heroína do sapatinho de cristal, que nessa versão, se mostrou uma mulher forte, mas que não abandonou sua inocência e sua capacidade de acreditar. E claro, como não amar o seu príncipe (Belamente representado pelo eterno Robb Stark <3). Que sejamos sempre gentis e tenhamos coragem para mudar o nosso mundo!!!

3) Melhor série: The Flash

flashexcposter_5609ee26dff44607323957

Esse foi um ano atípico no quesito série. Não assistir quase nada, abandonei várias séries, quis abandonar praticamente todas as séries que permaneci assistindo (Fiquei atrasada em quase todas) e somente duas séries, continuaram me empolgando (Game of Thrones e The Flash). Não sei se é o meu amor por super-heróis, ou pelo Grant Gustin, que me fizeram escolher Flash, mas posso afirmar que para mim, “The Flash”, foi à série do ano. Sigo empolgada e ansiosa por novos episódios e amando cada detalhe dessa série, que em minha opinião, só melhora a cada semana.
Menção Honrosa: Um pequeno lembrete do amor que sinto pela primeira série que fiz maratonas e me apaixonei loucamente: Glee. E ao meu maior amor desse ramo: Hart of Dixie. Me despedi das duas no primeiro semestre de 2015 e até hoje, sinto saudades!!

4) Melhor música: Thinking out loud – Ed Sheeran

Na verdade, para mim, Ed foi o meu cantor do ano. Em 2014, resolvi me presentear com o ingresso do seu show e até hoje não consigo descrever a emoção de assistir esse cantor tão incrível ao vivo. Poderia escolher todas as suas músicas, tenho várias e várias favoritas, mas, fico com a minha apresentação favorita de 2015!

5) Surpresa: O som dos sentimentos – Babi Dewet (Presente no livro: Um ano inesquecível)

images.livrariasaraiva.com.br

Quem me conhece, sabe o quanto eu amo histórias adolescentes, por isso, logo me empolguei com o lançamento de “Um ano inesquecível”, afinal, poderia ler mais uma história da fofíssima Paula Pimenta e conhecer um pouco a escrita da Bruna Viera e Thalita Rebousas (Super famosas), não conhecia nada da Babi e confesso, não dei muita importância para a sua história. Mas que grata surpresa ao ler um pouco sobre o seu outono que se passa na Avenida Paulista em São Paulo. Com personagens apaixonantes e uma história leve que me conquistou nos primeiros parágrafos, Babi me encantou e me deixou ansiosa para conhecer todo o seu trabalho (E para visitar novamente São Paulo e quem sabe, assim como, a personagem, viver uma linda história de amor na incrível Avenida Paulista).

Resenha 08 – Ugly Love (O Lado Feio Do Amor)

11659444_444455085726765_6251552024716780304_n

 

“- O amor nem sempre é bonito, Tate. Às vezes você passa o tempo inteiro desejando que um dia ele mude. Que melhore. E aí, antes que perceba, você já voltou para a estaca zero e perdeu o seu coração em lugar no meio do caminho.”

 Há alguns meses, quando aceitei escrever para o Sonho de Letras, escrevi exclusivamente sobre Colleen Hoover e sobre como sua escrita é intensa e representa o que sentimos. Assim como, ao ler os seus livros, aprendemos a amar os seus personagens como se fossem nossos familiares ou amigos. Eu que já li todos os livros da autora publicados no Brasil, pensava que a mesma não podia me surpreender mais, até ler Ugly Love, traduzido e lançando aqui no Brasil pela Editora Galera como O lado feio do amor.
Em “O lado feio do amor”, conhecemos Tate Collins e seu enigmático e sedutor vizinho, Miles Archer. Falar que me apaixonei por eles é pouco, fiquei literalmente suspirando feito uma adolescente. A forma como a Colleen escreveu e desenvolveu a história dos dois, me cativou desde a primeira página e ao mesclar a narração de ambos, assim como, passado e presente, me deixou ávida por mais e mais, fazendo com que eu só largasse o livro, quando o mesmo terminou e agora, ficou aquela ressaca literária, que tenho certeza, durará semanas.
Acredito, que mais que um romance, o livro nos apresenta que sim, o amor nos deixa flutuando, mas, além disso, ele também pode ser feio, dolorido, pode deixar marcas profundas, que nos sufoca e nos machuca, porém, só o amor pode salvar. Até que ponto devemos lutar por algo que acreditamos? Quem deve machucar nosso coração? Ou quando estamos prontos para amar novamente? Esses são só alguns questionamentos que Colleen Hoover nos apresenta nessa história perfeita e marcante, que eu tenho certeza, vai te fazer chorar e deixar suspirando por vários e vários dias.

“-Não me pergunte sobre o meu passado – fala, com firmeza – E nunca espere de mim um futuro.”

Título: O lado feio do amor (Ugly Love)
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera
Páginas: 334

Resenha 6 – Por Lugares Incríveis.

nay 12

“Mas não sou um conjunto de sintomas. Não sou uma vítima de pais horríveis e de uma composição química mais horrível ainda. Não sou um problema. Não sou um diagnóstico. Não sou uma doença. Não sou uma coisa que precisa ser salva. Sou uma pessoa.”.

Primeiramente, peço desculpas por qualquer erro ou imperfeição, essa é a primeira resenha que faço e resolvi me aventurar, pois esse livro realmente merece muitos e muitos comentários.
Por Lugares Incríveis nos apresenta a história de Violet Markey e Theodore Finch, dois adolescentes que, como a própria sinopse, diz: “Prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver”.  Inicialmente o livro tem tudo para ser apenas um romance adolescente, uma estória de fantasia entre dois jovens conhecendo o poder do amor, mas ao contrário do que esperava o livro é uma agradável viagem a lugares incríveis. Viagem essa que nos apresenta dois personagens adoráveis e viciantes, que são tão humanos que poderiam ser nossos irmãos, primos, tios ou vizinhos. Seus questionamentos não são próprios apenas de adolescentes que estão descobrindo o mundo, mas de todos nós, que estamos constantemente tentando entender o sentido da vida e lutando para entender nossas escolhas e ações.
Jennifer Niven, que pela primeira vez escreveu sobre adolescentes – A autora é famosa por seus romances para adultos – nos presenteia com um livro que fala sobre o amor, aquele puro, que pode curar, mas também nos apresenta um retrato fiel sobre luto, superação, recomeços, relações familiares, transtornos psiquiátricos e suicídio. Por meio dos adoráveis Violet e Finch, nos faz refletir que somos muito mais que aparentamos e que muitas vezes, quem menos esperamos está em pedaços e precisa de um amigo e/ou um amor para começar a se encontrar. E que mais importante que levar algo, devemos deixar algo de positivo nesse mundo em que vivemos.
Por Lugares Incríveis é o típico livro que deveria ser obrigatório para todas as faixas etárias e deve ser lido por inteiro, pois Jennifer nos presenteia com um romance adorável e o finaliza com uma “nota da autora” e agradecimentos emocionantes.

 

Título: Por Lugares Incríveis
Autora: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Páginas: 335

10 Livros com Protagonistas Adolescentes Que São Uma Verdadeira Lição Para Todas As Idades.

Se analisarmos as atuais listas de livros mais vendidos e as novas adaptações literárias nos cinemas e televisão é nítido o número expressivo de livros nos quais os protagonistas são adolescentes e estão enfrentando situações marcantes, como doenças graves, perda de entes queridos, entre outros. Esses livros, que muitas vezes são denominados como “Young adult” e “new adult”, abordam diversos temas típicos dessa fase, como a descoberta do primeiro amor e busca pelo autoconhecimento. Temas que são pertinentes a essa fase, mas que devem ser discutidos em todas as idades, afinal, sempre podemos usar a paixão presente na adolescência para aprendermos mais sobre nós mesmos e sonhar com o amor romântico.
Gosto de boas histórias e sempre me surpreendo com os YA e NA, pensando nisso, fiz essa lista, com os meus queridinhos desse gênero, como uma dica de boas leituras e personagens complexos e cativantes que vão ganhar o seu coração! Boa Leitura!!

 

1.    A Culpa é das Estrelas – John Green

 

nay 1
“Hazel foi diagnosticada com câncer aos treze anos e agora, aos dezesseis, sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões. Ela sabe que sua doença é terminal e passa os dias vendo tevê e lendo Uma aflição imperial, livro cujo autor deixou muitas perguntas sem resposta. Essa era sua rotina até ela conhecer Augustus Waters, um jovem de dezessete anos que perdeu uma perna devido a um osteosarcoma, em um Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Como Hazel, Gus é inteligente, tem senso de humor e gosta de ironizar os clichês do mundo do câncer — a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Com a ajuda de uma instituição que se dedica a realizar o último desejo de crianças doentes, eles embarcam para Amsterdã para procurar Peter Van Houten, o autor de Uma aflição imperial, em busca das respostas que desejam. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.”

2.    Métrica – Colleen Hoover

 

nay 2
“O romance de estreia de Colleen Hoover, autora que viria a figurar na lista de best sellers do New York Times, apresenta uma família devastada por uma morte repentina. Após a perda inesperada do pai, Layken, de 18 anos, é obrigada a ser o suporte tanto da mãe quanto do irmão mais novo. Por fora, ela parece resiliente e tenaz; por dentro, entretanto, está perdendo as esperanças. Um rapaz transforma tudo isso: o vizinho de 21 anos, que se identifica com a realidade de Layken e parece entendê-la como ninguém. A atração entre os dois é inevitável, mas talvez o destino não esteja pronto para aceitar esse amor.”

3.    Um Caso Perdido – Colleen Hoover

 

nay 3
“Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras… Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente.”

4.    A Lista Negra – Jennifer Brown

 

nay 4
“Se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.”

5.    Will & Will – John Green e David Levithan

 

nay 5
“Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome.  E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções.  O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.”

6.    Eleanor & Park – Rainbow Rowell

 

nay 6
“Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola…”

7.    Cidades de Papel – John Green

 

nay 7
“Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita.
Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.”

8.    As vantagens de ser invisível – Stephen Chbosky

 

nay 8
“Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe – a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.
As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.”

9.    Outras Palavras para o amor – Lorraine Zago Rosenthal

 

nay 9
“Anos 1980. Enquanto o mundo se encolhe com o medo da Aids e as tensões da Guerra Fria, Ari Mitchell tem outras preocupações além dos vírus que pululam nos bocais dos telefones públicos do Brooklin. Como ser ofuscada por Summer, a amiga rica e bonita, que estuda numa prestigiosa escola particular em Manhattan. Ou a paixonite pelo cunhado bombeiro.
Ou os sonhos de sua mãe castradora. Mas uma herança está prestes a mudar a vida de Ari. Com a morte de um tio, a sensível aluna nota A ganha um visto de entrada, mesmo a contragosto, para o mundo dos ricos e belos. Nova aluna da Hollister Prep, ela precisa se adaptar a uma sofisticada realidade. E a outras amizades. Uma história sensível que mostra que o amadurecimento é a mais difícil das jornadas.”

10.    O Teorema Katherine – John Green

 

 

nay 10

“Após o mais recente e traumático pé na bunda, o Colin que só namora Katherines resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.”

 

Bônus: Um novo livro desse gênero vem ganhando o coração de todos os leitores ao redor do mundo: Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven.

nay 12

“Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.”

Ele, que será minha próxima leitura, parece ser encantador. Não podia deixar de citá-lo.

Meus 9 trechos favoritos de “Um Caso Perdido”, de Colleen Hoover.

Um-Caso-Perdido-Colleen-Hoover

Se um dia você se deparar com o livro “Um Caso Perdido” em uma livraria ou em algum site, dificilmente ele vai ganhar sua atenção. Sua capa e descrição nada atrativas escondem uma estória de amor maravilhosa. Escondem personagens intensos e humanos que descobrem que o amor pode sim curar um coração machucado. O li pela primeira vez há mais ou menos 6 meses e até hoje não consigo esquecer Sky e Holder, sofro de uma ressaca literária constante. Meus trechos favoritos são apenas uma pequena amostra da grandeza desse livro e desses personagens, além de um pequeno incentivo para se entregarem a essa linda estória de amor.

1. “- Que desculpa de merda.
Ele ergue a sobrancelha para mim.
– É uma desculpa de merda eu odiar o colégio?
– Não. É uma desculpa de merda você deixar um ano ruim determinar o resta da sua vida.”

2. “- Preciso disso. Preciso ter certeza de que está sentindo o mesmo que eu no instante em que meus lábios encostarem nos seus. Porque quero que seu primeiro beijo seja o melhor primeiro beijo na história dos primeiros beijos.”

3. “Não estou de coração partido e ainda não derramei uma lágrima sequer por causa de toda essa situação. Não consigo ficar de coração partido porque, por sorte, ainda não tinha dado a ele essa parte de mim. Mas não sou orgulhosa demais para admitir que estou um pouco triste com tudo isso, e sei que vou precisar de um tempo porque eu gostava muito, muito dele. Resumindo, estou bem. Um pouco triste e imensamente confusa, mas bem.”

4. “- Isso está me matando, Sky – diz ele, com a voz bem mais calma e baixa. – Está me matando porque não quero passar mais nenhum dia sem que não saiba o que sinto por você. E não estou pronto para dizer que estou apaixonado por você, pois não estou. Ainda não. Mas seja lá o que for isso que estou sentindo … é bem mais que gostar. É muito mais. E nas últimas semanas venho tentando esconder esse sentimento. Estava tentando entender porque não existe palavra alguma capaz de descrevê-lo. Quero que saiba exatamente o que sinto, mas não existe nenhuma maldita palavra no dicionário inteiro que descreva esse ponto entre gostar e amar, mas eu preciso dessa palavra. Preciso dela porque preciso que você me ouça dizê-la.
(…)
– Gamar.
O desespero em seus olhos se ameniza um pouco, e ele solta uma risada breve e confusa.
– O quê? – Ele balança a cabeça, tentando entender minha reposta.
– Gamar. Se misturarmos as letras de gostar e amar, temos gamar. Você pode usar essa palavra.
Ele ri novamente, mas dessa vez é uma risada de alivio. Põe os braços ao meu redor e me beija com um alívio gigantesco.
– Eu gamo você, Sky – diz ele encostando em meus lábios. – Gamo tanto você.”

5. “Uma das coisas que amo nos livros é que eles conseguem definir e condensar certos momentos da vida de um personagem em capítulos. É intrigante, pois na vida real é impossível fazer isso. Não dá para terminar um capítulo, pular as coisas pelas quais a pessoa não quer passar e simplesmente começar um capítulo que melhor se encaixa com sua vontade. A vida não pode ser dividida em capítulos… só em minutos. Os acontecimentos da vida de uma pessoa estão todos aglomerados um minuto após o outro, sem nenhum intervalo de tempo, páginas em branco ou pausas de capítulos, porque não importa o que aconteça, a vida simplesmente continua, segue em frente, as palavras são ditas, e as verdades sempre surgem, quer você queira ou não, e a vida nunca deixa você fazer uma pausa para recuperar a porra do fôlego.”

6. “- Fodam-se todas as primeiras vezes, Sky. A única coisa que importa para mim com você são os para sempre.”

7. “- Disse que queria ficar sozinha no meu quarto e, quando acordei e vi que você estava lá comigo na cama, tive vontade de chorar, Holder. Queria chorar porque precisava tanto de você ali. Foi naquele momento que percebi que estava apaixonada por você. Estava apaixonada pela maneira como você me amava. Quando pôs os braços ao meu redor e me abraçou, soube que, independentemente do que acontecesse com minha vida, meu lar era você. Você roubou a maior parte do meu coração naquela noite.
Abaixo a cabeça até a dele e beijo-o delicadamente. Ele fecha os olhos e começa a encostar a cabeça na cama outra vez.
– Fique com eles abertos – sussurro, afastando-me dos lábios dele – Ele os abre, olhando-me com uma intensidade que bate direto no centro do meu ser. – Quero que fique de olhos abertos… porque preciso que veja eu lhe entregar a última parte do meu coração.”

8. “- Sim, é sim. Você é incrivelmente corajosa. E vai conseguir superar isso, pois tem um coração muito forte. Um coração capaz de amar tantas coisas da vida e das pessoas de uma maneira que jamais imaginou que um coração fosse capaz. E você é linda. – Pressiono a mão no seu coração. – Aqui dentro. Seu coração é tão bonito, e um dia alguém vai amá-lo do  jeito que ele merece.”

9. “- Quero que lembre quem você é, apesar de todas as coisas ruins que estão acontecendo com você. Porque essas coisas ruins não são você. São apenas coisas que aconteceram com você. Precisa aceitar que quem é e o que acontece com você são duas coisas diferentes.”

Escritor 30 – Collen Hoover.

11109_408567071_hr

 

Colleen Hoover nasceu 11 de dezembro de 1979, em Sulphur Springs, Texas. Ela cresceu em Saltillo, Texas, e formou-se a partir de Saltillo High School, em 1998. Em 2000, ela se casou com Heath Hoover, com quem ela já tem três filhos e um porco chamado Sailor. Hoover formou na Texas a & M-Commerce com uma licenciatura em Serviço Social. Ela trabalhou vários trabalhos de ação social e de ensino, até que ela começou sua carreira como escritora.
Em novembro de 2011, Colleen começou a escrever seu primeiro romance, sem nenhuma intenção de ser publicado. Ela foi inspirada por um poema lírico, “decidir o que ser e ir ser isso”, a partir de uma canção Avett Brothers “Cabeça cheia de dúvidas / estrada cheia de promessas”. Devido a isso, ela incorporou letras Avett Brothers em toda a história. Depois de alguns meses, seu romance foi revisado e dado 5 estrelas por grande blogger de livros, Maryse Preto. Com isso, as vendas aumentaram rapidamente, e por insistência dos fãs, teve sua sequencia, Point Of Retreat, ambos na lista New York Times Best Seller.

Fonte: Skoob!

Principais Obras:

Métrica (2012)
Um Caso Perdido (2012)

Opinião Pessoal: Collen Hoover é intensa! Quando penso nos seus livros e personagens, essa é sempre a primeira palavra que escolho para defini-la.  Sabe aqueles livros que te deixam sem chão, que fazem você refletir sobre sua própria vida e criar um carinho tão grande pelos personagens como se fossem seus amigos ou familiares? Então, assim defino sua obra: como livros que te conquistam. Livros apaixonantes que te fazem suspirar durante a leitura, mas também te ensinam, te instigam e te tiram do eixo.
Afirmo ainda que Collen é aquela autora que te surpreende. Ao deparar com seus livros e suas capas e descrições simples, você não consegue imaginar que ela escreve com tantos sentimentos e intensidade. Mais ainda, que consegue descrever os sentimentos humanos com tanta precisão e apresentar metáforas simples, para ações presentes no dia-a-dia de cada um de nós.
(Ainda) não conheço todos os seus livros, apenas os publicados no Brasil – Destaque para Métrica e Um Caso Perdido, que são simplesmente fantásticos- mas afirmo, com toda certeza, que todos, ao menos uma vez na vida, deveriam ler algo escrito pela Collen. Tenha certeza que seus livros iram lhe ensinar algo sobre o amor em todas as suas formas e como só ele é a cura para nossas tristezas cotidianas. E se posso dar um conselho, ao começar um dos seus livros, preparem os lencinhos, mas também o coração, pois é impossível não se apaixonar por seus personagens e passar muitos e muitos dias com uma ressaca literária daquelas!