Os Melhores de 2015 – Por Antoniêta Fernanda

1) Melhor Livro: I’ve got your number

12033455

2015 não foi exatamente o ano mais proveitoso em termos de livros pra mim, considerando que a maior parte das coisas que eu li foram pra terminar meu bendito TCC. Mas, dentre os que eu consegui ler, I’ve got your number foi disparadamente o mais divertido. O estilo da autora de Confessions of a Shopaholic, Sophie Kinsella, é facilmente reconhecido a cada parte da história em que a vontade de morrer de rir e/ou de vergonha alheia é quase incontrolável. I’ve got your number é uma ótima indicação pra quem procura uma leitura leve e agradável, pra passar o tempo (procrastinar) ou se desligar um pouco das obrigações do dia a dia.

2) Melhor Série: Mr. Robot

mr-robot_H982Bc6

Mr. Robot é aquela série que, quando eu comecei a assistir, o único pensamento que eu tive foi “Por que eu não comecei a ver antes???”. Existem diversos motivos pra indicar Mr. Robot e a maioria deles tem a ver com a maneira como a série é conduzida, com vários plot twists bizarramente inesperados, que te deixam procurando teorias a respeito da season finale às cinco da manhã. Mas, particularmente, o que me conquistou de cara foi Elliot, o personagem principal dos olhos esbugalhados, que, em dez minutos, dá vontade de guardar numa caixinha e levar pra casa pra cuidar <3
(E, não, não tem robô.)

3) Melhor Filme: Predestination

predestination-dvd-cover-60

Quando me indicaram esse filme, não me contaram muita coisa, só me disseram: veja. Podia ter dado muito errado e eu ter achado o filme ruim, mas, pra minha surpresa, eu, que nem gosto tanto de filmes, quase não pisquei, tentando entender o que tava acontecendo. Acho que até agora não entendi, mas a experiência de assistir o desenrolar da história e tentar juntar todos os pedaços do quebra-cabeça vale muito a pena. Mind blowing ainda é pouco pra definir esse filme. Vejam.

4) Música Mais Tocada Em Meu Player: Not myself – John Mayer

Not myself é uma daquelas preciosidades que você tem há anos no computador, mas, por alguma razão desconhecida, nunca tinha parado pra ouvir. Até que chega o momento em que o cosmos resolve dar um empurrãozinho e o modo aleatório te apresenta esse amor de música. O ritmo é só amor, a letra é só amor, John Mayer é só amor.

5) A Maior Surpresa: Monument Valley (app pra Android, IOS e Windows phone)

1_monument_valley

Cá entre nós, eu não sou uma pessoa que tem muita paciência pra jogos, mas Monument Valley foi um achado. A ideia é bem simples: você precisa levar a princesa Ida aos lugares que ela quer chegar. Só que, como o jogo é num formato de puzzle, a sua função é alterar os lugares por onde ela passa, mexendo com construções em 3D que envolvem labirintos, ilusões de ótica e uns tipos de arquitetura que só existem nos sonhos de Inception. Monument Valley é relativamente curto, visualmente bonito e não vai te pedir pra gastar dinheiro ou incomodar os outros pedindo vida. Se tiver um espacinho no celular, vale a pena dar uma checada.

Antoniêta Fernanda

Antoniêta Fernanda

(aspirante a) Redatora publicitária e English teacher, for the time being. Musical theatre geek, leitora meio compulsiva, louca por cachorros e viciada em seriados. Nas horas vagas, sou metida a escritora e a cantora. Os vizinhos me adoram.
Antoniêta Fernanda

Últimos posts por Antoniêta Fernanda (exibir todos)

Comments

comments