3 Poemas De Mário Quintana, Do Livro “Antologia Poética”.

d22ee225-37ca-4b90-8c14-c1c5d5ac6c81

O poema

Uma formiguinha atravessa, em diagonal, a página ainda em branco. Mas ele, aquela noite, não escreveu nada. Para quê? Se por ali já haviam passado o frêmito e o mistério da vida…

Uma simples elegia

Caminhozinho por onde eu ia andando
E de repente te sumiste,
– o que seria que te aconteceu?
Eu sei… o tempo… as ervas más… a vida…
Não, não foi a morte que acabou contigo:
Foi a vida.
Ah, nunca a vida fez uma história mais triste
Que a de um caminho que se perdeu…

História quase mágica

O Idiota da Aldeia gostava de coisas brilhantes.
Mal nos respondia: éramos apenas gentes…
Mas uma noite o surpreendi falando longamente a um trinco de porta

Redondo, luzente de luar.
Só vos digo,
Ao que me parece,
Que o brilho do metal ora abrandava, ora fulgia mais,
Como se por instantes ouvisse e depois respondesse.
Só vos digo que, nestes ocultos assuntos, nada se pode dizer…

Cuera

Cuera

Carioca de nascimento e mineira de alma. Coleciona um pouco de tudo: séries, livros, filmes, cadernos, memórias, objetos inúteis e até horas infinitas de procrastinação (provavelmente estará no programa “Acumuladores” no futuro). Quer ser escritora e viver de fazer Literatura (isso se o livro que está escrevendo sair algum dia das 16 páginas escritas)
Cuera

Últimos posts por Cuera (exibir todos)

Comments

comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.